Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,86
    +0,95 (+2,12%)
     
  • OURO

    1.806,10
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    18.866,50
    -174,34 (-0,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    372,41
    +1,89 (+0,51%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.168,75
    +92,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3379
    -0,0590 (-0,92%)
     

Análise | The Signifier adiciona política e psicologia a investigação criminal

Felipe Demartini
·8 minuto de leitura

Investigações e inquéritos podem avançar até um certo ponto; eles podem vasculhar sua casa, obrigar você a prestar depoimento e até te encarcerar. Mas as nossas mentes permanecem como um ambiente inviolável, ainda que certos métodos físicos possam fazer com que o que está dentro, saia. O que acontece, então, quando essa barreira é transposta com o poder da tecnologia e, claro, acaba caindo nas mãos de governos e grandes corporações?

Essa é a premissa do Dreamwalker e, também, um dos pontos mais interessantes de The Signifier, ainda que seja um dos elementos que aparece em segundo plano na história. Na obra dos chilenos do Playmestudio, as barreiras entre realidade, memórias, sonhos e interpretações se misturam enquanto investigamos a morte misteriosa de uma executiva, que traz algo a mais do que aparenta. É como uma analogia do próprio game, que também traz, em seus desígnios, algo além de uma mera história de detetive.

O plano principal é, sim, a morte de Johanna Kast. É a partir disso que se desenrolam tramas envolvendo os desígnios da inteligência artificial na vida das pessoas e a mão de ferro do governo sobre descobertas científicas, além do anseio de as utilizar de maneiras nem sempre moralmente adequadas. O jogador é Frederick Russell, cientista e inventor do Dreamwalker, que vê sua pesquisa recebendo o sonhado financiamento das mãos federais, ao mesmo tempo em que tem de lidar com as decorrências disso e, também, suas próprias questões pessoais.

Nesse ensejo, um passeio pelas memórias de Johanna serve quase que como um desligamento. Dentro das simulações, que transformam memórias em um ambiente navegável, ainda que abstrato, é apenas ele e as lembranças dela, ainda que a própria não tenha autorizado essa viagem. Quase dá para esquecer disso enquanto navegamos o labirinto da mente dessa executiva, mas sempre que encontramos alguma revelação ou lutamos para abrir um campo de pensamento que ela fez questão de esconder, não dá para não se lembrar de que estamos, basicamente, invadindo uma propriedade das mais sigilosas.

<em>Memórias misturadas com emoções e sentimentos são exploradas em The Signifier para que o jogador chegue à verdade por trás de uma morte misteriosa (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)</em>
Memórias misturadas com emoções e sentimentos são exploradas em The Signifier para que o jogador chegue à verdade por trás de uma morte misteriosa (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

Essa fábula tecnológica se desenrola de forma artisticamente interessante, com as memórias vasculhadas se desenrolando como em uma série de quadros de arte abstrata, mas totalmente convergentes com a realidade. Chega a ser um choque quando exploramos, no mundo real, o que restou da casa de infância de Johanna, por exemplo, um lembrete duro de que os fatos sempre podem ser mais dolorosos do que como nos lembramos deles.

E aqui estamos vasculhando apenas dois campos possíveis. The Signifier apresenta um enredo que acontece em diferentes planos, se é que podemos os chamar assim. Além do mundo palpável, temos a chamada Reconstrução Objetiva, que usa amplamente os poderes da inteligência artificial para limpar as memórias de sensações e outros elementos subjetivos, entregando um todo mais compreensível e limpo, ainda que abstrato. Nossas lembranças, porém, não se tratam apenas isso e, da mesma forma que podemos nos lembrar de uma viagem ao sentirmos o cheiro de uma comida, uma memória reconstruída apenas de informações concretas jamais será completa.

Entra em cena, então, a Reconstrução Subjetiva, que pode trazer memórias embaralhadas e fatos fora do lugar, além de conceitos um bocado lúdicos, como o de uma foto de cachorro que persegue Johanna pela casa, por exemplo. As distorções são comuns aqui, assim como os objetos fora de lugar, principalmente quando exploramos traumas e situações de alta carga emocional. E, em alguns momentos, ainda vasculhamos sonhos, cenários ainda mais surreais e subjetivos que firmam o tom de terror psicológico de todo o título.

<em>Com uma bela ajuda da IA, a tecnologia de The Signifier permite explorar memórias e sonhos de terceiros, com todos os desafios éticos e políticos que isso pode envolver (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)</em>
Com uma bela ajuda da IA, a tecnologia de The Signifier permite explorar memórias e sonhos de terceiros, com todos os desafios éticos e políticos que isso pode envolver (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

Tudo, em The Signifier, diz alguma coisa, da mesma forma que o nosso cérebro está sempre registrando informações e catalogando os acontecimentos à sua própria maneira. É assim, também, que o Playmestudio desenvolve os enigmas e quebra-cabeças do título, com a transição entre diferentes planos, a observação de eventos em diferentes memórias e a reorganização de objetos que estão fora do lugar fazendo com que o abstrato se torne um pouco mais coerente. Aqui, vale tudo, desde manipular o tempo, andar de costas ou incorporar um cachorro.

A tecnologia permite isso, mas muitas vezes, você se pegará questionando se está, realmente, em um lugar adequado. E quando a realidade aparece, na forma de uma ligação de um agente federal nervoso ou no convite aparentemente cordial de uma CEO bilionária para uma conversa cheia de intenções ocultas, o jogador pode sentir que existem poucas diferenças entre as amarras de uma e de outra, com a arte sendo uma das poucas distinções diretas e claras do que está acontecendo.

Profundo, mas com limites

<em>Transição entre camadas e arte abstrata dão o tom de The Signifier, ainda que suas mecânicas não sejam tão abertas e expansivas assim (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)</em>
Transição entre camadas e arte abstrata dão o tom de The Signifier, ainda que suas mecânicas não sejam tão abertas e expansivas assim (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

Explicar o conceito de significante em um game, como The Signifier tenta fazer logo em seus momentos iniciais, é tarefa complicada. Da mesma forma, não dá para inundar o jogador com longas páginas de textos de psicologia e análise, enquanto as imagens do apartamento de Johanna podem parecer muito mais instigantes para a audiência em um momento no qual é preciso atrair os jogadores. A semiótica está presente em todos os aspectos do game, mas quem o analisar com a profundidade que ele exige, também, vai enxergar facilmente os trilhos no qual o título está posicionado.

Temos, sim, um game cheio de decisões políticas e escolhas de abordagem que moldam a história e levam a diferentes finais e acontecimentos, ainda que os eventos do macrocosmo, digamos assim, permaneçam os mesmos. As memórias de Johanna, onde boa parte do título se desenrola, estão firmes no tempo, já que ela está morta, com os trabalhos de Frederick se desenvolvendo em uma parte mais aberta (mas nem tanto), e significativamente menor, ainda que, muitas vezes, mais interessante.

<em>The Signifier está completamente dublado e apresenta localização em português, algo essencial para o entendimento de uma história com muitas nuances (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)</em>
The Signifier está completamente dublado e apresenta localização em português, algo essencial para o entendimento de uma história com muitas nuances (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

Na maioria do tempo restante, fica claro que estamos completando um quebra-cabeça quase simples, daqueles em que só há uma solução possível, ainda que ela esteja desenhada em uma arte abstrata interessantíssima e conceitos deliciosamente bizarros. Manipular objetos disformes para encontrar seu posicionamento no mapa é interessante no início, mas logo se torna uma tarefa um tanto básica já que existe pouca variação na utilização de tais objetos, assim como na forma como eles são utilizados para desbloquear novas memórias ou trechos difusos.

As formas criativas de lidar com alguns destes enigmas chamam a atenção, mas muitas vezes, isso acontece pelo fato de o jogador querer mais ideias desse tipo, e não o velho andar por corredores e clicar em indicadores de interesse que compreende a maior parte da experiência com The Signifier. Muitos dos significados envolvidos ficam na cabeça do jogador, que se não comprar a ideia e entrar na dança composta pelo Playmestudio, pode acabar não sendo cativado pelas discussões e ensejos tão interessantes que estão abaixo da superfície.

Junte isso à movimentação um bocado truncada, com o ambiente se comportando como se a taxa de quadros por segundo do game estivesse oscilando, ainda que se mantenha estável, e a dificuldade de ler alguns dos textos tão interessantes que se misturam com o plano de fundo. The Signifier está todo dublado em inglês e localizado para o português, o que é bom para entender a profundidade dessa trama, ainda que a usabilidade nesse sentido não seja das melhores, com legendas que ultrapassam a barreira da tela em alguns momentos.

<em>Decisões políticas, filosóficas e éticas são parte integrante de The Signifier; momentos são interessantes, mas não compõem maior parte da experiência (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)</em>
Decisões políticas, filosóficas e éticas são parte integrante de The Signifier; momentos são interessantes, mas não compõem maior parte da experiência (Imagem: Captura de tela/Felipe Demartini/Canaltech)

Da mesma forma que a percepção de realidade e as memórias são altamente particulares, The Signifier também apresenta uma proposta cuja experiência deve ser aprofundada de forma diferente para cada jogador. A profusão de elementos e abstrações deve ser um dos fatores para a curta experiência, que leva cerca de quatro horas para ser finalizada, enquanto o título serve como uma das tantas provas de que duração, em si, não é sinônimo de falta de conteúdo.

Material, aqui, tem de sobra, principalmente para aqueles que comprarem a ideia e se aventurarem pelas diferentes opções e possibilidades levantadas pelo título. Fazer isso, porém, pode não ser uma tarefa das mais simples, apesar de The Signifier nos presentear com significados diretos e abstratos a cada nova camada que decidimos explorar. A experiência com ele, no final das contas, acaba sendo como a própria história e ensejo apresentados, assim como a qualidade percebida, com critérios altamente subjetivos para cada um de nós.

The Signifier foi lançado para PC em 15 de outubro de 2020, com versões para console ainda em desenvolvimento. O game da Playmestudio foi publicado pela Raw Fury, que concedeu gentilmente a cópia digital usada pelo Canaltech nesta análise.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: