Mercado abrirá em 5 h 39 min
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,63
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.765,30
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    61.379,05
    -1.944,58 (-3,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.357,61
    -23,34 (-1,69%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.006,19
    +22,69 (+0,32%)
     
  • HANG SENG

    28.996,21
    +203,07 (+0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    13.990,25
    -23,75 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7152
    -0,0059 (-0,09%)
     

ANÁLISE-Pode Joe Biden recriar a economia dos EUA com a qual cresceu?

Howard Schneider
·2 minuto de leitura
ANÁLISE-Pode Joe Biden recriar a economia dos EUA com a qual cresceu?

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - É quase certo que Joe Biden será o último presidente dos Estados Unidos nascido como membro da "geração silenciosa", grupo demográfico que era criança durante a Segunda Guerra Mundial e atingiu a maioridade em um boom econômico que gerou riqueza para a classe média e consolidou o papel do país como potência industrial líder no mundo.

Ao longo da segunda metade de sua vida, Biden, de 78 anos, viu parcela da riqueza nacional destinada a essa classe média cair e os ganhos do crescimento dos Estados Unidos concentrarem-se em um punhado de regiões. Agora, ele tenta reverter essa tendência de meio século com um enorme direcionamento federal de capital para pessoas e infraestrutura negligenciadas.

O projeto de Biden para infraestrutura e empregos e o aumento de impostos corporativos para ajudar a pagar por isso contrastam com a deferência aos mercados privados iniciada pelo Partido Republicano com a eleição de Ronald Reagan em 1980 e alimentada por rodadas de cortes de impostos e de medidas de desregulação aplicadas por ambas as legendas.

Quer tenham sido as medidas de Bill Clinton para reduzir medidas de bem-estar social e diminuir a regulação do setor financeiro, quer tenha sido a hesitação de Barack Obama em "aumentar" os gastos na última recessão, tem havido uma relutância federal em intervir profundamente por décadas.

O plano de Biden remete aos líderes democratas de sua juventude na década de 1960, com o foco ambicioso do presidente John Kennedy em iniciativas públicas, como o pouso do homem na Lua, ou o esforço de Lyndon Johnson para fortalecer a rede de seguridade social. Também ecoa ideias como a criação das rodovias norte-americanas pelo presidente Dwight Eisenhower, na década de 1950.

"Estou impressionado com a escala, a estrutura" do plano de Biden, disse Simon Johnson, professor de economia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês). "Eles parecem ter acatado a ideia de que é possível aumentar a produtividade, impulsionar o crescimento e propagá-lo pelo país" com investimentos públicos corretos.

O projeto agora vai para o Congresso dos EUA, e a batalha sobre o plano deve ser enorme.

O plano "representa um grande esforço para combater as crescentes desigualdades geográficas do país... Ele mostra uma compreensão de como a infraestrutura pode criar acesso e oportunidade --ou bloqueá-la", disse Kenan Fikri, diretor de pesquisa do Grupo bipartidário de Inovação Econômica.

O processo de redução na diferença de riqueza entre negros e brancos mostrou pouco progresso nos últimos trinta anos, independentemente do fato de que os democratas ocuparam a Casa Branca em 16 deles. O plano visa investimentos em comunidades negras, incluindo aquelas afetadas pela poluição portuária ou outra praga ambiental, e indústrias com uma grande proporção de trabalhadores negros.