Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    18.934,97
    +40,45 (+0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Análise | Huawei Watch GT 2 Sport tem (quase) tudo o que você precisa

Luciana Zaramela
·26 minuto de leitura

O que você busca em um relógio inteligente para acompanhar suas atividades do dia a dia? A gente sabe que, devido à vasta quantidade de modelos disponíveis e com funcionalidades que são atualizadas a cada ano, fica difícil escolher um para chamar de seu. A Huawei anda apostando firme no segmento de wearables, por exemplo, e a briga com gigantes do ramo (como Samsung, Apple, Motorola, Polar e Garmin) parece ser bem mais complexa do que se imagina.

Mas, se para você o essencial é ter um smartwatch que te ajuda a manter o foco nas notificações do celular, sem pecar no monitoramento da sua saúde, o Huawei Watch GT 2 pode ser um companheiro e tanto — desses que você não vai querer tirar nem para dormir.

Entretanto, vale dizer, antes de prosseguirmos: apesar de funcionar com qualquer smartphone, a Huawei puxa a sardinha para os telefones da sua marca (ou os da linha Honor, que também são da chinesa). Isso quer dizer que nos telefones da mesma marca do smartwatch, você terá uns mimos a mais, a começar pela interface do app, que fica mais bonita, e algumas funcionalidades extras. Mas, não se preocupe: tendo outro dispositivo com Android ou até mesmo um iPhone, você pode ser muito feliz com o relógio mesmo assim.

Huawei GT 2 Sport (42 mm): vamos falar um pouco sobre tudo que o reloginho é capaz de fazer (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Huawei GT 2 Sport (42 mm): vamos falar um pouco sobre tudo que o reloginho é capaz de fazer (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Huawei Watch GT 2: design & ergonomia

Com visual bem mais esportivo do que clássico, o irmão menor da linha GT 2 da Huawei (com 42 mm, sendo o maior 46 mm de diâmetro e acabamento mais rebuscado, chamado de Edition) tem uma caixa levemente menor, que pode servir legal tanto em pulsos largos quanto em pulsos mais delicados.

De formato redondo e acabamento esportivo, recebemos o relógio na cor preta. Na nossa unidade de testes, a caixa do relógio traz um aro metálico preto brilhante, dois botões nas laterais para controle de funções e conta com sensores de monitoramento cardíaco e oximetria na sua base. Já a pulseira (padrão 20 mm), também preta, é feita de fluorelastômero, um material bem leve e macio, que se parece muito com silicone. Como o conjunto todo é bem levinho, usar o relógio não é um incômodo. Em questão de dois a três dias, você já se acostuma com ele até mesmo na hora de dormir.

Todo pretinho, com pulseira de fluorelastômero, o Huawei Watch GT 2 Sport (42 mm) é um parceiro e tanto para as atividades do dia (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Todo pretinho, com pulseira de fluorelastômero, o Huawei Watch GT 2 Sport (42 mm) é um parceiro e tanto para as atividades do dia (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Ergonomicamente falando, passamos várias semanas com ele no pulso, tirando só para carregar, a fim de monitorar todos os passos, calorias, batimentos cardíacos, atividades físicas e, principalmente, os níveis de sono, para termos um relatório o mais completo possível a cada semana.

É um relógio bacana e de visual minimalista, bem bonito, com excelente padrão de construção e acabamento muito interessante. A Huawei empregou aqui um design estético que ela mesma chama de vidro 3D no mostrador, capaz de criar uma imagem sem moldura no perfil do relógio (mas que se torna difícil de enxergar sob sol claro). Para deixá-lo com a sua cara, você pode trocar as watchfaces (mostradores) do jeito que preferir, afinal, o relógio já traz algumas opções com vários tipos de marcações.

Conforme o tempo for passando, se você enjoar do conjunto, ainda pode trocar a pulseira por outra que seja compatível com o relógio.

Estas são as cores e tamanhos diferentes do Huawei GT 2 (Imagem: Divulgação/Huawei)
Estas são as cores e tamanhos diferentes do Huawei GT 2 (Imagem: Divulgação/Huawei)

Huawei Watch GT 2: sistema operacional

Apesar de funcionar bem com iPhone e qualquer smartphone Android, você só vai conseguir usar todas as funcionalidades disponíveis no relógio se tiver um smartphone da Huawei (ou Honor). Como o wearable conta com um sistema operacional próprio, batizado de Lite OS pela companhia, sentimos informar que se sua intenção é usá-lo no Android com o Wear OS, você não vai conseguir. Isso porque são sistemas incompatíveis, e dessa maneira, você não consegue, por exemplo, instalar aplicativos no relógio e nem mesmo controlar dispositivos inteligentes em uma casa conectada, como a TV da sala ou seu smart speaker, por exemplo.

O sistema operacional do Huawei Watch é próprio da marca e não "conversa" com outras plataformas, como Wear OS ou apps tipo Strava (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
O sistema operacional do Huawei Watch é próprio da marca e não "conversa" com outras plataformas, como Wear OS ou apps tipo Strava (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

As possibilidades de edição do mostrador são bem amarradas. O que você pode escolher é um dos mostradores da galeria do relógio e definir o que você quer ter nas telas rápidas — ou seja, o que você quer ver quando deslizar o dedo para a direita ou para a esquerda no relógio. Também é possível atribuir funcionalidades diferentes ao botão inferior do vestível, como treino, registros de treino, status de treino, frequência cardíaca, sono, oximetria de pulso, etc.

Huawei Watch GT 2: bateria

Ter boa autonomia de bateria em um wearable hoje em dia é uma das principais exigências de quem busca por um relógio inteligente, e felizmente a Huawei conseguiu colocar nos seus relógios da linha GT 2 uma capacidade interessante, com média de cinco dias para a versão esportiva (de 42 mm) e até 10 dias para a versão maior (de 46 mm). Isso, claro, se você não exigir demais dos recursos de GPS do relógio — que consomem bastante energia.

Outra maneira de economizar a bateria do relógio é reduzindo o tempo de tela ativa. Nos nossos testes, deixamos no modo padrão, em que o display desliga sozinho se você não estiver com o braço em posição de olhar as horas. No entanto, há quem prefira que o display fique sempre ligado — e essa opção está disponível no relógio, apesar de consumir bem mais bateria (e drenar a autonomia pela metade).

Na embalagem do relógio vem o carregador e um cabo USB-C/USB, mas não vem uma tomada de energia. Você pode espetá-lo via USB no seu computador, televisor ou até mesmo em um carregador compatível.

O carregador do Huawei Watch GT 2 é magnético. De o lado, o cabo é USB-C, e na outra ponta é USB tradicional — sem adaptador AC (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
O carregador do Huawei Watch GT 2 é magnético. De o lado, o cabo é USB-C, e na outra ponta é USB tradicional — sem adaptador AC (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Huawei Watch GT 2: funcionalidades e aplicativo

Como a gente testou o Huawei Watch GT 2 42 mm usando um iPhone, sentimo-nos um pouco limitados em relação ao que o smartwatch pode fazer e o que ele realmente entrega quando pareado a um smartphone da Apple. Primeiramente, o aplicativo fica incompleto — e sobre isso, falaremos um pouco mais adiante. Mas em termos de funções, o relógio em si é bem interessante — e só de trazer oxímetro de pulso, monitoramento cardíaco 24/7 e monitoramento de sono já é bacana o suficiente pelo preço que custa.

O aplicativo Huawei Health pode ser baixado tanto para Android quando para iOS e tem uma enorme variedade de dados, orientações, resumos, métricas e planejamentos. Nele, você faz o seu cadastro, pareia seu dispositivo via Bluetooth, coloca alguns dados sobre você (como altura, peso, idade) e define suas metas. No iOS o app é um pouquinho diferente, com interface mais "crua" e incompleta em alguns parâmetros, como o de monitoramento de stress, mas no Android isso melhora. Se for em um telefone Huawei ou Honor então, é o par perfeito para o relógio.

Interface do app no iOS: tá achando que é fácil ganhar medalha? :) (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Interface do app no iOS: tá achando que é fácil ganhar medalha? :) (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Huawei Watch GT 2: sensor para praticamente tudo

O que mais chama a atenção é a quantidade de sensores que o Watch GT2 traz, fazendo dele um canivete suíço para quem realmente curte se manter ativo e quer saber como o corpo está funcionando. A lista é vasta: o aparelho conta com GPS, bússola, barômetro, oxímetro de pulso, monitor cardíaco, pedômetro e até medidor de stress.

Huawei Watch GT 2 nos esportes

Para quem pratica esportes, é possível conseguir dados preciosos como frequência cardíaca e queima calórica durante os treinos — o que permite que o relógio avise quando você está se exercitando de modo aeróbico, anaeróbico, exaustivo ou queimando gordura, por exemplo. Graças à tecnologia TruSeen, própria da Huawei, você consegue um monitoramento cardíaco de alto desempenho ali mesmo, no seu pulso. E consultar isso é tão fácil quanto olhar para o relógio durante o treino ou mesmo quando estiver descansando.

Nos nossos testes, o relógio foi parceiro de natação, ciclismo, caminhada, corrida e treinamento funcional aeróbico. Natação e ciclismo são dois "presets" que já existem dentro do wearable, mas escolhemos pular corda como uma atividade aeróbica "extra" que não tem na vastíssima lista do aparelho. Apesar de podermos encaixar o treino dentro de uma ginástica aeróbica, não temos dados precisos como número de saltos, por exemplo, mas temos resultados bacanas de calorias gastas e ritmo cardiorrespiratório, essencial para exercícios que exigem condicionamento físico. Ou seja: para exercícios assim, ele mostra os dados básicos.

Na natação, basta ativar o modo de treino ali mesmo, na beira da piscina. Ao dar o "start" no exercício, o relógio já conta, sozinho, uma série de parâmetros: número de braçadas, estilo de natação (crawl, costas, peito, borboleta ou medley), tempo de aquecimento, calorias queimadas, tempo total de treino, número de voltas na piscina, comprimento da piscina, número máximo e média de braçadas por minuto, ritmo médio a cada 100 metros e até seu índice SWOLF (que mostra a eficiência da braçada em relação ao tempo, ou seja, a eficiência do seu nado — quanto mais baixa, melhor). Para calcular o SWOLF, o GPS precisa estar trabalhando, afinal, é com base na distância percorrida que o relógio vai calcular o quanto você é realmente bom de braçada. Tanto o relógio quanto o app guardam um histórico de treino, e você pode comparar seu desempenho a cada saída da piscina.

Um contraponto é que, se você fizer treino de perna em piscina, o relógio não vai entender que você nadou. Isso porque, ao que parece, usa o giroscópio para identificar seu nado pelas braçadas, já que o relógio fica no...? Braço — que naturalmente fica parado ou se movimenta muito pouco na água. Uma pena, afinal, exercícios de pernadas em piscina são uma ótima forma de atividade física e treino para queima de calorias e ganho de massa magra.

Como o relógio suporta até 5 ATM, você pode treinar em piscina com luxos que todo nadador gostaria de ter: oximetria de pulso, monitoramento cardíaco, frequência de braçadas, estilo de nado, distância percorrida, desempenho e um resumo de tudo isso e muito mais (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Como o relógio suporta até 5 ATM, você pode treinar em piscina com luxos que todo nadador gostaria de ter: oximetria de pulso, monitoramento cardíaco, frequência de braçadas, estilo de nado, distância percorrida, desempenho e um resumo de tudo isso e muito mais (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

No ciclismo, tanto indoor (bike ergométrica) quanto outdoor (pedalando na rua), o relógio monitora tudo: desempenho, aptidão física, frequência cardíaca durante todo o treino, fase de aquecimento, fase aeróbica, fase anaeróbica e fase de exaustão, além de fase de queima de gordura. O GPS, como fica ligado o tempo todo, traça seu percurso em treinos de área externa ou circuitos, e ao final te dá um gráfico para você comparar o desempenho global com seus dias de atividade seguintes. Mesmo no iPhone, a quantidade de dados e gráficos que o aplicativo fornece (que, teoricamente, é menos completo e tem interface mais pobre em recursos que no Android) é incrível, principalmente se você é interessado em dados de fisiologia humana.

Velocidade, calorias gastas, elevação e uma série de outros dados são medidos pelos sensores do relógio. A tela é que não é nem um pouco oleofóbica: com a mão suada, fica mesmo sujinha, mas nada que atrapalhe o dia a dia de quem pratica esportes (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Velocidade, calorias gastas, elevação e uma série de outros dados são medidos pelos sensores do relógio. A tela é que não é nem um pouco oleofóbica: com a mão suada, fica mesmo sujinha, mas nada que atrapalhe o dia a dia de quem pratica esportes (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Na caminhada/corrida, também tivemos a grata surpresa de o aplicativo funcionar conforme foi com o ciclismo, com GPS ligado e monitorando níveis de desempenho e frequência cardíaca em todas as faixas de treino: aquecimento, queima de gordura, aeróbico, anaeróbico e atividade extrema. Para quem for maratonar ou correr, os dados são praticamente os mesmos, e você ainda tem a vantagem de contar com treinos no aplicativo, que te ajudam a traçar metas e chegar a seu objetivo — seja ele manter-se ativo, condicionar seus músculos para melhorar seu preparo físico, perder peso ou ganhar musculatura e massa magra.

Da piscina para as pistas: em todos os exercícios, você tem um resumão bacana do que fez e de como foi seu desempenho. Durante os treinos, você ainda consegue verificar, em tempo real, seu nível de atividade cardiorrespiratória (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Da piscina para as pistas: em todos os exercícios, você tem um resumão bacana do que fez e de como foi seu desempenho. Durante os treinos, você ainda consegue verificar, em tempo real, seu nível de atividade cardiorrespiratória (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Durante o sono

Como o Watch GT 2 tem função de monitoramento de sono e estresse, é possível calcular o quanto você rende também enquanto dorme ou descansa. Afinal de contas, o sono é importantíssimo para a nossa saúde, e estabelecer metas para dormir bem é essencial para se ter um estilo de vida mais saudável e produtivo, além de garantir bons níveis de concentração e humor no dia seguinte.

O relógio calcula a qualidade do seu sono com base em monitoramento de sono REM, sono leve e sono profundo. O sono REM, importante para a criatividade e o bom humor, é um ótimo indicador caso você esteja se sentindo cansado no dia seguinte, mesmo tendo achado que dormiu o suficiente. Poucos minutos de sono REM podem afetar seu comportamento no dia seguinte, e você consegue melhorar seu escore praticando mais exercícios por exemplo.

Já o sono profundo — conhecido como sono de ondas lentas — é aquele estágio mais difícil de se acordar, e é o mais eficaz para o descanso e eliminação da fadiga. Geralmente, ter níveis ideais de sono profundo indica qualidade de reparação e reposição de energia, e o relógio mostra quanto você conseguiu atingir na sua meta noturna de sono "pesado". Assim como o vestível alerta caso você tenha dormido pouco, ele também alerta caso você esteja com excesso de sono — o que pode ser sintoma de alguma doença ou reflexo de alguma medicação. Assim, o Watch GT 2 gera um relatório que pode, inclusive, auxiliar seu médico durante consultas de rotina ou mesmo caso você suspeite de alguma complicação no seu organismo.

Registros detalhados de sono: o relógio usa sensores como acelerômetro, monitoramento cardíaco e oximetria para avaliar seu desempenho ao dormir. É bom, mas ainda falta ser mais assertivo (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Registros detalhados de sono: o relógio usa sensores como acelerômetro, monitoramento cardíaco e oximetria para avaliar seu desempenho ao dormir. É bom, mas ainda falta ser mais assertivo (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

O sono leve também é medido pelo relógio, e o aplicativo te dá muitas bases para conseguir equilibrá-lo em relação aos demais estágios. Grandes percentuais de sono leve durante a noite podem significar que, mesmo que você esteja dormindo, não está descansando o suficiente — e aí você passa a entender por que seu dia seguinte não foi tão produtivo como você imaginava.

O legal é que o app dá dicas de como dissipar energia acumulada durante o dia, ou pouco antes de dormir, além de evitar alguns alimentos e vícios, como os dotados de cafeína, para que você consiga ter qualidade de sono melhor nas próximas noites e alcançar sua meta.

Segundo a fabricante, a tecnologia TruSleep pode rastrear e diagnosticar cientificamente 6 tipos comuns de problemas de sono, ao mesmo tempo em que fornece sugestões para um melhor descanso. E, enquanto você dorme, o smartwatch monitora sua frequência cardíaca, analisa sua respiração e atribui uma pontuação à qualidade geral do seu sono.

O que percebemos durante os testes é que o Watch GT 2 tem, sim, certa precisão no monitoramento, e além disso, ajuda a relaxar com exercícios de respiração. No entanto, ele pode confundir seu processo de relaxamento e aqueles minutinhos iniciais que você passa na cama antes de dormir com sono leve. Ele acerta o número de despertares, mas só se você se levantar da cama. Se você desperta, abre os olhos, pensa um bocado na vida e volta a dormir, o relógio não capta essa variação e a contagem final — assim como a média da semana — pode ficar prejudicada. Mesmo assim, como o monitoramento se dá sobretudo com base na frequência cardíaca, o relógio é um excelente aliado de quem procura uma vida mais equilibrada, seja enquanto se exercita, trabalha ou… dorme.

Huawei Watch GT 2: monitoramento de estresse

Se você acha que está acumulando energia demais durante o dia, o GT 2 pode te ajudar a entender melhor como seu organismo funciona, já que conta com a tecnologia TruRelax, proprietária da marca. No iOS esse recurso não funciona todo o tempo, sendo necessário você mesmo pedir para medir, com a ajuda do aplicativo, o contador de estresse. É uma das falhas que mais incomoda, mas não vai incomodar os usuários de Android ou de smartphones Huawei/Honor.

O relógio faz esses cálculos com base na sua frequência cardíaca e é necessário calibrá-lo, respondendo algumas perguntas no aplicativo e deixando com que os sensores captem alguns dados sobre sua pulsação.

Huawei Watch GT 2 no dia a dia

Notificações, alertas, alarmes, lanterna e alguns dados como previsão do tempo, calorias gastas, passos dados e batimentos cardíacos são alguns dos vários recursos que o Watch GT 2 te oferece no dia a dia. Até mesmo encontrar seu telefone é possível, já que o relógio tem um recurso que faz seu telefone emitir um alarmezinho mesmo se estiver em modo silencioso. Para fazê-lo parar, basta abrir o app da Huawei.

Ele vai te acompanhando, medindo seus passos, o número de vezes que você se levanta e seu ritmo de atividades físicas — tudo isso editável pelo app — e você define quais notificações deseja receber na tela, como mensagens e mails (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Ele vai te acompanhando, medindo seus passos, o número de vezes que você se levanta e seu ritmo de atividades físicas — tudo isso editável pelo app — e você define quais notificações deseja receber na tela, como mensagens e mails (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Pelo aplicativo, você consegue definir quais notificações deseja receber no seu pulso. Aqui, deixamos apenas o WhatsApp — mas você pode ativar outros apps, como Twitter, Gmail, Facebook e por aí vai. Também, você pode alterar suas metas, como número de passos dados por dia, quantas vezes se levanta, o tempo diário de exercícios... a gama de configurações é imensa.

Para quem usa um telefone da Huawei, é possível sincronizar uns mimos a mais, como transferir música para o relógio (em MP3 e AAC). Ele conta com aproximadamente 2 GB de armazenamento.

Huawei Watch GT 2 e a tecnologia nos exercícios

Munido de um processador Kirin A1, desenvolvido especialmente para wearables pela própria Huawei, o relógio conta com uma série de sensores e recursos que fazem dele um concorrente interessante na hora da compra.

Ele conta com suporte para os sistemas de posicionamento por GPS e GLONASS, e assim fica mais fácil entender seus treinos e percursos, já que a precisão é bem bacana. A gente gostou muito do resultado tanto para natação em piscina quanto para caminhada e ciclismo urbano, e já que o sistema de posicionamento do relógio é tão bacana, pode ser uma ferramenta e tanto para maratonistas ou simplesmente para quem quer monitorar o trajeto durante a caminhada, por exemplo. Infelizmente, não há integração com apps terceiros de atividades físicas, como o Strava. É tudo na base do Huawei Health mesmo, e ponto.

Um ponto alto desse relógio é poder medir, em tempo real, sua frequência cardíaca — e com níveis de precisão incríveis. A versão 3.5 do TruSeen, tecnologia de monitoramento cardíaco da Huawei, deixa o wearable ainda mais inteligente, já que ele pega todo o cálculo diário dos seus batimentos cardíacos e gera um relatório ao final do dia, que você pode conferir pelo app ou até mesmo na telinha do relógio, de forma resumida, caso prefira.

Pau para toda obra: o arsenal de sensores do Huawei Watch GT 2 vai te fazer feliz durante o monitoramento de suas atividades físicas (note que, na terceira foto, devido à incidência do sol, foi difícil captar a tela — sob sol intenso, enxergar os dados no display é, realmente, uma luta) (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Pau para toda obra: o arsenal de sensores do Huawei Watch GT 2 vai te fazer feliz durante o monitoramento de suas atividades físicas (note que, na terceira foto, devido à incidência do sol, foi difícil captar a tela — sob sol intenso, enxergar os dados no display é, realmente, uma luta) (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Graças a essa tecnologia, você consegue entender qual a parte de maior rendimento de seus treinos. Na natação, por exemplo, ficou fácil perceber quando o organismo sai do aquecimento e passa para a queima de gordura. Além disso, com a ajuda do oxímetro, você tem dados em tempo real de monitoramento de atividades aeróbicas, anaeróbicas e extremas. Quando percebe que é hora de descansar, o relógio mostra o tempo necessário para que seu corpo se recupere ao final de cada treino. Todos esses dados são armazenados no app para você sentir seu rendimento semanal de atividades físicas e determinar metas — editáveis, inclusive.

Além dos resumos semanais, o relógio também conta com alguns guias de treinos rápidos para quem quer objetivos simples, como caminhada ou corrida para queima de gordura. São mais de 10 minicursos de corrida com orientação por voz durante os treinos (você precisa parear um fone de ouvido com o relógio).

Huawei Watch GT 2: Oxímetro e COVID-19

Primeiramente, é preciso entender o que é a oximetria de pulso. De acordo com a American Thoracic Society, essa é a técnica usada para medir quanto oxigênio seu sangue está transportando para os órgãos. O que o Huawei Watch GT 2 faz é mensurar o nível de saturação de oxigênio e, como resultado, dar a porcentagem de O2 que seu sangue está transportando no momento da medição, comparada com o máximo de sua capacidade de transporte. Em um cenário ideal, mais de 89% das células sanguíneas precisam estar transportando oxigênio para que o corpo funcione bem.

Comparamos o oxímetro do Huawei Watch GT 2 com um oxímetro de pulso médico, e tivemos a grata surpresa de sua precisão na maioria dos testes. Em 10 testagens, em dias e condições diferentes, os resultados do relógio foram iguais ao do oxímetro digital de dedo em 8 vezes. Nas duas vezes restantes, divergiram em 1% acima do que marcava o oxímetro — o que é considerado dentro da taxa de variação aceitável.

Resolvemos testar o oxímetro do Huawei Watch GT 2 e compará-lo com um oxímetro médico: o resultado, para nossa alegria, foi idêntico na maioria das medições, com variação de ± 1%, o que é perfeitamente aceitável (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Resolvemos testar o oxímetro do Huawei Watch GT 2 e compará-lo com um oxímetro médico: o resultado, para nossa alegria, foi idêntico na maioria das medições, com variação de ± 1%, o que é perfeitamente aceitável (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Isso é legal para auxiliar — mas não para substituir um exame médico, que fique bem claro — uma pessoa a entender como seu ritmo respiratório funciona e quanto oxigênio seus pulmões estão conseguindo manter no sangue. A taxa ideal para um adulto é de 95% a 100%, podendo variar de acordo com algumas condições fisiológicas ou doenças, como asma e bronquite, por exemplo. O relógio, durante a medição, mostra que se você estiver na faixa verde de oxigenação sanguínea, você está com níveis normais de saturação do gás no sangue que circula em suas veias. Se você perceber que o fôlego ficou curto fora de qualquer atividade física ou fizer várias medições cujos resultados sejam inferiores a 90%, é melhor investigar com um médico.

Vale lembrar que você pode utilizar o oxímetro quando estiver tranquilo ou durante ou imediatamente após a prática de atividade física. O nosso organismo requer mais oxigênio quando está em plena atividade aeróbica, e verificar a saturação durante os treinos pode ajudar você e seu médico a entenderem se sua oxigenação está baixa — o que não acontece no repouso. Também é importante lembrar que a altitude reflete nos níveis de oximetria — em lugares muito altos, onde o ar é rarefeito, e provável que sua saturação fique um pouco mais baixa.

Seja para entender como funciona a saturação de oxigênio no seu sangue ou mesmo para prestar mais atenção em sintomas de resfriados e doenças respiratórias, o relógio não substitui um médico e nem uma avaliação com aparelhos profissionais, muito embora a Huawei tenha trabalhado duro com cientistas de universidades renomadas da China para conseguir trazer ao relógio sensores precisos e inteligentes.

Huawei Watch GT 2: chamadas e mensagens

Como já mencionado, o que a versão esportiva do GT 2 realmente não traz é a possibilidade do usuário atender ligações e responder mensagens, já que ele não traz um microfone embutido. Nem mesmo pelos fones de ouvido (headsets com microfone) pareados você consegue tal proeza, porque esse "mimo" está presente apenas na versão de 46 mm, tanto a esportiva quanto a mais chique, batizada de "Edition" pela Huawei.

Ao receber uma mensagem ou uma chamada, a versão de 42 mm apenas notifica; nada de responder ou atender diretamente pelo relógio (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Ao receber uma mensagem ou uma chamada, a versão de 42 mm apenas notifica; nada de responder ou atender diretamente pelo relógio (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Portanto, nada de se comunicar pelo relógio. Esse é o único ponto que, para uns, pode ser considerado negativo. Com toda a franqueza, pelo menos enquanto testamos o relógio (e dado nosso histórico de uso de smartwatches), não sentimos falta do poderio de ligações, mas sim da possiblidade de responder uma mensagem no WhatsApp, por exemplo, usando speech-to-text (falando para o relógio escrever, como faz o Apple Watch).

Huawei Watch GT 2: especificações

  • Mostrador: 41,8 mm x 41,8 mm x 9,4 mm

  • Tela: AMOLED 390 x 390 HD 1.2 polegadas, sensível ao toque

  • Peso: 29 g (sem a pulseira)

  • Caixa: aço inox + plástico

  • Cores: Night Black e Lake Cyan

  • Conectividade: Bluetooth: BT5.1, BLE / BR / EDR

  • Sensores: acelerômetro, giroscópio, geomagnético, óptico para frequência cardíaca, luz ambiente, pressão do ar, capacitivo

  • Bateria: média de 7 dias em uso típico/moderado

  • Requisitos de tensão e corrente do carregador: 5V 0.5A / 1A / 1.5A / 2A

  • Tipo de carregamento: magnético

  • Requerimentos de sistema do smartphone: Android 4.4 ou posterior; iOS 9 ou posterior

  • Resistência a água: 5 ATM (até 50 metros, não indicado para mergulho em oceano/águas profundas)

Huawei Watch GT 2: o que vem na caixa

  • Huawei Watch GT 2

  • Base de carregamento

  • Cabo de carregamento

  • Guia do usuário, informações sobre segurança e termo de garantia

Huawei Watch GT 2: preço e onde comprar

O Huawei Watch GT 2 (Sport Edition) está disponível no Brasil e você o encontra por R$ 1.160 no Magalu. O valor é honesto pelo que vemos na concorrência, e também pelo que o relógio oferece.

Conheça o Canaltech Ofertas!

Você sabia que a gente tem um time especializado em cavar as melhores ofertas do e-commerce para você? Então, vale ficar de olho no Canaltech Ofertas para encontrar preços ainda mais baixos, caso você queira comprar o relógio ou conhecer os concorrentes a preços bem convidativos. Nossa equipe está sempre de olhos em ofertas de diversos dispositivos, como celulares, televisores, consoles, wearables e muito mais.

Huawei Watch GT 2: veredicto

Ter um relógio inteligente que acompanha suas atividades desde a hora que você acorda até a hora que você acorda novamente no dia seguinte é algo que muitos de nós ainda não estamos acostumados, mas é aquela história: depois que você conhece, entende o dispositivo e ele passa a fazer parte da sua rotina.

No nosso período de testes, o Huawei Watch GT 2 foi um baita de um parceiro de atividades e monitoramento, inclusive nos ajudando a levar uma vida mais saudável e longe do sedentarismo. O relógio e o aplicativo contam com uma infinidade de tipos de registros de treino, que vão desde a caminhada ao ar livre à canoagem. E você ainda pode adicionar novas modalidades, como foi no nosso caso de pular corda: não havia exatamente o treino "pular corda" na lista, mas como é uma atividade aeróbica, o relógio monitorou oximetria de pulso, batimentos cardíacos, calorias e faixa de aquecimento, queima de gordura e até exaustão durante as séries de treino.

Mais mimos do Huawei Watch GT 2 (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Mais mimos do Huawei Watch GT 2 (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

A versão esportiva avisa, mas não funciona para atender chamadas e nem responder a mensagens que você recebe no WhatsApp, por exemplo. Esses mimos ela não tem, já que é voltada bem mais para a galera fitness que busca um manejo e acompanhamento certeiro de suas atividades, de seu sono e de seus dados fisiológicos. Por sorte, não tivemos nenhum aviso de queda nos batimentos ou na saturação de oxigênio, e é muito bacana poder contar com relatórios semanais de como seu corpo trabalha e do quanto você se mantém ativo.

Para quem tem um celular da Huawei/Honor, alguns mimos extras estão no pacote, como música direto do relógio (você faz o upload via Huawei Music) para os fones de ouvido (pareados com o relógio, e não com o celular), medidor de stress etc. Mas, mesmo no iOS, sentimos que o relógio é bem completo e cumpre o que promete no monitoramento de treinos.

Algumas falhas ele possui, sim, como a não-contagem de metragem em nados em que não existem braçadas (como treino de perna em piscina, por exemplo). Ele pode contar suas calorias, seu ritmo cardiorrespiratório, sua atividade aeróbica e anaeróbica, por exemplo… mas não vai entender que aquele percurso seja válido, simplesmente porque você não girou os braços. Em treinos de braçada em piscina, o contador de metragem funciona. Ou seja… o relógio utiliza do acelerômetro e giroscópio no braço do atleta para realizar a contagem ideal dos treinos. Fizemos todos os estilos de nado e, nesse caso, funcionou perfeitamente — com relatório ao final e tudo.

Trabalha de dia, de noite e até debaixo d'água, mas pode melhorar um pouquinho (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Trabalha de dia, de noite e até debaixo d'água, mas pode melhorar um pouquinho (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Outra falha que identificamos foi no monitoramento de sono. Muito embora a Huawei tenha tabalhado de perto com cientistas e especialistas em várias áreas da medicina, os sensores do relógio não captam despertadas leves. Por exemplo: quem demora a pegar no sono não vai saber quando, exatamente, dormiu — o relógio entende que aquele momento em que você se deitou e seu coração entrou em um ritmo mais lento é o momento que você, de fato, dormiu. Mesmo acordando e pressionando os botões do relógio e ficando coisa de 20, 30, 40 minutos sem dormir, porém na cama, o relógio entende que você continua dormindo e faz a contagem de sono como se fosse integral, e entende que esse momento que você passou acordado na cama foi de sono leve. Ainda precisa melhorar alguns detalhes, pois quem está monitorando insônia (como é o caso desta que vos escreve) fica órfão de alguns dados que seriam preciosos para se levar à próxima consulta médica. Resumindo: microdespertares e despertares noturnos em que você não se levanta da cama não são contabilizados pelo relógio. Apneia, pelo visto, é algo que ele registra (graças ao oxímetro), mas, felizmente, não aconteceu em nosso caso — a respiração foi dada como 100% em todas as noites monitoradas.

Pelo preço pedido pelo relógio aqui no Brasil, mesmo que você não tenha um celular da Huawei ou mesmo um Android, vale a pena investir no Watch GT 2 por vários motivos: o esportivo é muito bonito, preciso, tem uma ampla variedade de treinos para acompanhar, monitora bem seu sono e conta com oximetria de pulso — algo que hoje se tornou comum, já que estamos em meio à pandemia da COVID-19. O oxímetro é um plus incrível para quem faz treinos aeróbicos e anaeróbicos, e entender um pouquinho sobre como a fisiologia do corpo funciona enquanto você se exercita é sensacional.

Sensores de monitoramento cardíaco e oximetria + contatos para carregamento magnético (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)
Sensores de monitoramento cardíaco e oximetria + contatos para carregamento magnético (Imagem: Luciana Zaramela/Canaltech)

Se fizer questão de chamadas e mensagens, infelizmente a versão de 42 mm não vai poder te ajudar. Talvez seja mais interessante buscar por concorrentes que suportem o recurso, ou se gostou do modelo da Huawei, pagar um pouquinho mais caro na versão maior, de 46 mm, Sport ou Edition, que te permite fazer e receber chamadas via Bluetooth quando estiver com as mãos ocupadas e "longe" do celular. Não tem nenhum suporte de assistentes pessoais, como Google Assistente, Alexa ou Siri — e isso pode ser negativamente decisivo para alguns na hora da compra.

O aplicativo é bem legal, também, apesar de no iOS ser mais "feiosinho" que no Android. Mas, se o que você busca é resultados, a interface é a última coisa que você vai reparar. Para quem gosta de sincronizar smartwatches fitness com aplicativos como Strava, no entanto, uma notícia triste: o Huawei Watch GT 2 não vai funcionar.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: