Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.735,01
    -3.050,99 (-2,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.020,05
    -278,15 (-0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,67
    +0,17 (+0,21%)
     
  • OURO

    1.786,20
    +4,30 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    63.026,97
    -2.604,11 (-3,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.497,25
    -37,40 (-2,44%)
     
  • S&P500

    4.549,78
    +13,59 (+0,30%)
     
  • DOW JONES

    35.603,08
    -6,26 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.190,30
    -32,80 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.733,90
    +25,32 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    15.400,50
    -78,25 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5819
    +0,0009 (+0,01%)
     

Análise: Flamengo, volta do público e os interesses políticos por trás da guerra de liminares no STJD

·4 minuto de leitura

A série de dúvidas geradas pela liminar concedida pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Otávio Noronha, ao Flamengo, e que depois foi derrubada pelo vice-presidente adminsitrativo, Felipe Bevilacqua, pouco tem a ver com o esporte e muito com política. As decisões conflitantes não mostram uma quebra de braço entre presidente e vice, mas sim, revelam interesses além do futebol que estão por trás das cortinas.

No início de agosto, Noronha deferiu o pedido do Flamengo para que o time pudesse ter público em seus jogos como mandante, desde que as autoridades locais autorizassem. A liminar ficou guardada em alguma gaveta da Gávea até que a Prefeitura do Rio de Janeiro também acatou um pedido do rubro-negro e permitiu público em três jogos do time no Maracanã. A partir daí, começou a gritaria dos demais times.

Eles recorreram ao STJD, mas o próprio Noronha indeferiu o pedido de 17 clubes da Série A — ficaram de fora o próprio Flamengo, o Atlético-MG e o Cuiabá. Os times não desistiram e fizeram novo recurso. Este caiu nas mãos de Bevilacqua, porque ele é o relator original do caso, que será julgado no dia 23 pelos auditores do STJD.

Os times também ameaçaram não jogar a rodada do fim de semana do Campeonato Brasileiro. E chegaram a comunicar a intenção à CBF, que se moveu para atender ao desejo da maioria, já que também não deseja, agora, portões abertos.

Bevilacqua teve um entendimento contrário ao de Noronha e suspendeu a presença de público nos jogos do Flamengo até que aconteça a nova reunião do Conselho Técnico da Série A, que será no dia 28. A tendênia nesta reunião é que os clubes entrem em consenso sobre a liberação de torcida, já que a maioria das cidades está permitindo a volta de público aos estádios.

Mas, por que presidente foi para um lado e vice para outro?

Otávio Noronha é filho de João Otávio de Noronha, ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), órgão que presidiu entre 2018 e 2020. A decisão que favoreceu o Flamengo tem mais relação com o Governo Federal do que com o clube carioca. O governo Bolsonaro nunca escondeu de ninguém que deseja a abertura ampla e irrestrita o quanto antes. Inclusive, trouxe a Copa América para o Brasil quando Argentina e Colômbia desistiram de sediá-la por causa da pandemia.

A liminar dada ao Flamengo não foi a única assinada por Noronha. Ele também concedeu o mesmo benefício a outros clubes como o Atlético-MG, Confiança, Goiás e Vila Nova.

Desde quando se acirrou a disputa por uma vaga no STF, João Otávio de Noronha fez acenos positivos à família do presidente — foi ele quem, por exemplo, concedeu prisão dominciliar a Fabrício Queiroz e atrasou o quanto pode o caso das rachadinhas que envolve Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente. E agosto foi um mês chave para ele na corrida ao STF. No dia 30, o ministro fez 65 anos, e pela lei, deixou de ser elegível ao cargo.

Por outro lado, Felipe Bevilacqua tem fortes ligações com a CBF, principalmente com Marco Polo del Nero. O auditor está há mais de dez anos atuando no Tribunal. Já ocupou cargo de auditor de comissão disciplinar e procurador-geral. E como não é segredo para ninguém, o ex-presidente da CBF, banido do futebol pela Fifa, como é sempre bom lembrar, é quem dá as cartas na confederação.

Bevilacqua, quando assumiu o cargo de auditor do tribunal, em 2020, fez questão de agradecer a Del Nero em seu discurso de posse. Disse:

— Inicio fazendo um agradecimento especial ao presidente Marco Polo Del Nero. Foi quem me indicou à procuradoria-geral, quando presidente da CBF. Uma pessoa pelo qual nutro muita admiração e respeito. Foi ele que me alçou ao tribunal pleno, apesar de já estar há muito tempo ao STJD.

O Flamengo preferiu não recorrer e o assunto parece encerrado até então. A desistência vem diante do fato de que a questão deve se resolver na próxima reunião do Conselho Técnico, e porque a partida contra o Grêmio, nesta quarta-feira, com os portões abertos, foi um fiasco. A permissão era para quase 25 mil torcedores no estádio, mas pouco menos de 6.500 compareceram.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos