Mercado abrirá em 2 h 34 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,31
    +0,43 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.867,20
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    39.969,59
    +744,80 (+1,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,37
    +32,53 (+3,36%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.161,55
    +14,87 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.132,75
    +8,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1328
    +0,0013 (+0,02%)
     

Análise: Em classificação tranquila do Flamengo, barração de Hugo joga os holofotes para a instabilidade no gol

·2 minuto de leitura

A classificação do Flamengo para a decisão do Carioca veio como esperado. Diante do Volta Redonda, os rubro-negros confirmaram a vaga com um placar ainda mais convincente do que o da primeira semifinal: 4 a 1. A grande novidade ficou por conta da opção de Rogério Ceni em barrar Hugo Souza e dar uma chance a Gabriel Batista.

A mudança pode aumentar ainda mais a instabilidade vivida na posição. Com Diego Alves fora mais uma vez por razões médicas, Hugo voltou a se mostrar inseguro na última partida. Ao invés de usar a semifinal do Carioca para lhe dar confiança, Ceni parece ter desistido dele. Isso a três dias do jogo contra o Unión La Calera, em Santiago, no Chile, que pode definir a vaga para as oitavas da Libertadores.

E não dá para dizer que Gabriel Batista foi testado. O Volta Redonda facilitou demais a vida do Flamengo. Com sua meta pouco atacada e sem chances de defesa no pênalti, ele só pôde mostrar que joga mais à vontade com a bola nos pés do que seu concorrente de posição.

O jogo

Com a necessidade de reverter os 3 a 0 do primeiro jogo, a equipe do Sul do Estado teve uma postura muito ofensiva - o que não seria um problema tivesse jogadores tão qualificados quanto o time rubro-negro. Só que não era este o caso. Foi o cenário perfeito para o esquema de Rogério Ceni.

A cada vez que desarmava o adversário, o Flamengo tinha opções de sobra para atacar com velocidade e aproveitar as brechas na marcação. Matheuzinho, Michael, Vitinho e Gabigol comandaram as investidas do time. E os gols saíram no atacado. Só no primeiro tempo, foram três (dois de Gabigol e um de Michael. Na etapa final, mais um, com Vitinho. João Carlos fez o de honra.

Quem não se beneficiou tanto com o desenho do jogo foi Pedro. Por não ser tão veloz quanto os outros, nem sempre conseguiu estar na frente para finalizar. Ainda assim, apareceu com a assistência para o primeiro gol de Gabigol. Mas, quando teve a oportunidade, pecou na finalização. Acertou uma bola no travessão e ainda chutou para fora diante do gol. Um adversário tão exposto seria a oportunidade perfeita para ele se aproximar de Alef Manga na artilharia do Carioca (tem seis contra nove). Mas não foi possível. Ficou para as finais.