Mercado abrirá em 2 h 54 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,14
    +0,26 (+0,37%)
     
  • OURO

    1.865,80
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    40.078,95
    +894,54 (+2,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.004,08
    +35,24 (+3,64%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.174,96
    +28,28 (+0,40%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.139,50
    +14,75 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1330
    +0,0015 (+0,02%)
     

Análise de cocô de 2.000 anos atrás mostra como flora intestinal mudou

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ao analisar amostras de fezes de mais de mil anos de idade, um grupo de cientistas (dos EUA, México, Canadá, Itália, Dinamarca e Alemanha) conseguiu remontar o genoma de microrganismos do passado que habitam o interior do corpo humano e mapear a diversidade deles.

O resultado, publicado nesta quarta (12) na revista Nature, mostra que a flora intestinal (ou microbiota) das paleofezes é mais similar à das populações não industrializadas. Um dos micróbios "perdidos" com a industrialização é o Treponema succinifaciens.

Nos cocôs antigos há grande quantidade de enzimas capazes de digerir quitina, um tipo de carboidrato usado por insetos para construção de seu exoesqueleto e presente em cogumelos e fungos. O achado é indício de como era a dieta das pessoas no passado.

Em outra análise, foram comparadas enzimas produzidas pelos micróbios ativadas por carboidratos. Antigamente e em populações não industrializadas, era mais fácil encontrar enzimas capazes de digerir amido, provavelmente devido a uma maior ingestão de carboidratos complexos (como grãos integrais e certos tubérculos).

O mesmo vale para genes de resistência a antibióticos nos micróbios --em populações industrializadas são muito mais presentes, denunciando abuso desses medicamentos, tanto em humanos quanto para a produção de carne.

Um dos maiores desafios foi reconstituir a informação genética desses micróbios. Um genoma íntegro de bactéria pode ter centenas de milhares de pares de bases, ou "letras" genéticas (humanos, para comparação, têm 3 bilhões de pares). Na amostra, o material estava tão danificado que, em média, os pedaços de DNA tinham 174 pares de bases.

Também se buscou ter certeza de que o DNA das amostras não estava contaminado com DNA mais recente, o que poderia nublar as conclusões.

Ao todo foram usadas oito amostras de cocô entre 1.000 e 2.000 anos, encontradas em cavernas no sudoeste dos EUA e no México.

Os cientistas conseguiram, no fim, reconstruir 498 genomas de micróbios, sendo que 181 têm origem no intestino e, desses, 61 representam espécies ainda não conhecidas. O passo seguinte foi comparar esses achados com a microbiota de populações "industrializadas" e das que hoje vivem isoladas, "não industrializada", como certas tribos na Amazônia ou na ilhas Fiji.

"Um conceito importante que surge de nosso trabalho é que, se a teoria do desaparecimento do microbioma humano estiver correta, para reduzir a carga de doenças crônicas, simplesmente comer bem e fazer exercícios não é suficiente --precisamos semear novamente o microbioma humano moderno com as espécies que perdemos", disse à reportagem Aleksandar Kostic, autor sênior do estudo e professor de microbiologia da Universidade Harvard.

Já há grande interesse da indústria farmacêutica e biotecnológica na produção de novas terapias com base nesses conhecimentos. Por exemplo, a infecção resistente pela bactéria Clostridium difficile, pode ser tratada com transplante de fezes, com alta taxa de sucesso. Existem investigações de tratamentos para doenças inflamatórias intestinais e também para terapias combinadas em oncologia.

Mas a ideia de alterar o microbioma ao estado "original" pode ser uma tarefa inglória, segundo Emmanuel Dias-Neto, pesquisador do A.C.Camargo Cancer Center e estudioso do microbioma humano, que não participou do estudo.

Uma das maiores dificuldades é ter a dimensão exata do que é saudável. "Ainda não temos uma referência do que seria uma microbiota saudável para o brasileiro. Não tem como fazer um exame e dizer que a quantidade de uma determinada bactéria está baixa", diz.

Mas já é possível fazer algo a respeito da saúde da sua microbiota: a dieta é um dos fatores que mais influenciam essa composição.

O consumo de fibras, carboidratos complexos e frutas in natura está associado a melhor saúde gastrointestinal e a menor risco de câncer de cólon; consumo excessivo de carne, por sua vez, nos leva na direção oposta.

Outros fatores são mais difíceis de controlar, como poluição e ingestão de microplásticos, presentes até na água. Assim, a recomposição da microbiota nunca seria absoluta.

Como muitos desses fatores são nocivos aos microrganismos, a tendência é que outros rapidamente ocupem esses nichos.