Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.086,35
    -114,18 (-0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Amplo estudo confirma eficácia de 94% da vacina da Pfizer contra a covid

·2 minuto de leitura
Dose da vacina Pfizer-BioNTech contra a covid-19

A vacina do laboratório Pfizer contra o coronavírus é 94% eficaz contra os casos sintomáticos da covid-19, segundo um amplo estudo realizado em Israel e publicado nesta quarta-feira (24) na revista especializada New England Journal of Medicine.

"Trata-se da primeira prova validada por pares da eficácia de uma vacina nas condições do mundo real", declarou à AFP Ben Reis, um dos coautores do estudo.

Até então, a eficácia da vacina havia sido demonstrada por meio de ensaios clínicos realizados com milhares de pessoas, mas não em condições reais, com uma maior variedade de indivíduos e comportamentos, além de desafios logísticos como a gestão do transporte de doses em temperaturas congelantes.

O novo estudo foi realizado com dados de cerca de 1,2 milhão de pessoas atendidas em uma das maiores instituições de saúde de Israel, a Clalit Health Services, entre 20 de dezembro de 2020 e 1º de fevereiro de 2021.

Nesse período, a variante britânica do coronavírus circulava amplamente pelo país, o que torna os resultados ainda mais interessantes.

Cerca de 600 mil pessoas que receberam a vacina foram comparadas de forma rigorosa com cerca de 600 mil que não foram vacinadas. Os dois grupos tinham características similares em relação a idade, sexo, comorbidades e locais de residência.

Os autores verificaram que a vacinação reduziu em cerca de 94% os casos com sintomas de covid-19, em 92% os casos mais graves da doença e em 87% as hospitalizações.

Essas porcentagens foram obtidas após ao menos sete dias desde a aplicação da segunda dose do imunizante da Pfizer.

Porém, "observou-se um efeito bastante importante antes mesmo da segunda dose", disse à AFP Noam Barda, um dos principais autores do estudo.

A primeira dose alcançou uma eficácia de 57% para os casos de covid com sintomas e 62% nos casos graves, afirmou ele.

A vacina também se mostrou 72% eficaz na prevenção de mortes por coronavírus após a primeira dose, porém, o baixo número de mortes no escopo do estudo torna esse resultado menos confiável.

A eficácia foi relativamente consistente para todas as faixas etárias, "incluindo pessoas acima dos 70 anos", disse Reis.

No entanto, "temos indicações de que, para pessoas com muitas doenças (anteriores), a vacina não funciona tão bem", apontou.

Além disso, o estudo indica uma eficácia de 92% contra a chance de ser infectado. Um dado crucial, pois, se confirmado, pode indicar que as pessoas vacinadas não poderão mais transmitir o vírus.

Os próprios autores pedem, no entanto, para que esses dados sejam considerados com cautela. "Esse estudo não pode garantir que detectamos todas as infecções assintomáticas", alertou Barda.

ia/ft/rsr/gma/dga/mvv/ic/am