Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.280,54
    -271,02 (-1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Amil avisa que só vai pagar novo piso da enfermagem após decisão do STF

***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 03.03.2021 - O novo piso da enfermagem está pendurada no STF. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 03.03.2021 - O novo piso da enfermagem está pendurada no STF. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O UnitedHealth Group, dono da Amil, enviou comunicado a seus funcionários nesta quarta (31) avisando que ainda não vai pagar o valor do novo piso da enfermagem. A lei foi sancionada por Bolsonaro no início deste mês.

No comunicado aos trabalhadores, a empresa diz que a constitucionalidade desta lei está sendo questionada pela CNSaúde (Confederação Nacional de Saúde) no STF (Supremo Tribunal Federal) e que, portanto, vai esperar a decisão da corte sobre o pedido de liminar para suspender os efeitos da lei.

"Diante dessa incerteza jurídica – e por se tratar de um tema relevante para o setor de saúde como um todo, com um enorme impacto social –, nossa empresa optou por aguardar a decisão que o STF tomará em relação à liminar. Temos observado a mesma postura cautelosa em outros agentes públicos e privados do setor", diz a mensagem da companhia.

A empresa diz que vai cumprir com suas obrigações legais assim que o tema for resolvido no Judiciário, sem prejuízo para os trabalhadores.

O caso em análise no Supremo será julgado pelo ministro Luís Roberto Barroso. No decorrer do mês ele pediu manifestação do Congresso, do Palácio do Planalto, da AGU (Advocacia-Geral da República) e da PGR (Procuradoria-Geral da República) sobre a ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade). Todos os pareceres foram contrários aos argumentos da CNSaúde, com exceção da PGR, que deve se manifestar até o final desta semana.