Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -0,21 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    24.339,21
    -153,85 (-0,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +2,25 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2017
    -0,1220 (-2,29%)
     

Americanos gastam sem esbanjar e ofuscam cenário de recessão

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Muitos economistas e CEOs estão convencidos de que a economia americana está prestes a entrar em recessão, mas uma mudança na forma como os consumidores gastam torna mais difícil saber o que acontecerá a seguir.

Sem as restrições da pandemia, os compradores voltam às lojas, viajam e vão a shows – mas gastam menos com reformas e entretenimento em casa.

Extravagâncias populares durante os lockdowns perderam seu apelo, como bicicletas ergométricas caras da Peloton e churrasqueiras novas da Weber. E as assinaturas do Netflix caíram em um milhão no trimestre passado. O aumento dos custos de tudo, de alimentos a gasolina, faz com que os consumidores se concentrem no essencial.

Mesmo assim, os americanos não deixaram de gastar. O Walmart elevou sua previsão de receita à medida que os consumidores se voltam para bens básicos. Na terça-feira, o McDonald’s divulgou vendas que superaram as expectativas dos investidores, enquanto a Coca-Cola elevou sua previsão. Ambos foram impulsionados pelos aumentos de preços.

A divulgação de balanços nos EUA alimenta um debate público sobre o quanto a economia já sofreu nos últimos meses. A criação de empregos está saudável e o desemprego está baixo, mas os preços estão subindo no ritmo mais rápido em quatro décadas, corroendo o poder de compra dos consumidores.

Embora um relatório sobre o PIB dos EUA deva mostrar um leve crescimento na quinta-feira, alguns analistas preveem a segunda contração trimestral consecutiva, o que se encaixaria em uma definição não oficial de recessão.

A CEO da GM, Maria Barra, disse na terça-feira que a demanda por carros continua robusta, mas também alertou para “preocupações com as condições econômicas” e disse que a montadora está cortando gastos.

“Há alguns indicadores que criam incerteza sobre o futuro”, disse Barra em uma teleconferência de resultados. “Já tomamos muitas medidas, mas sabemos as medidas que tomaríamos se a situação for em uma direção diferente.”

O Federal Reserve, que luta para controlar a inflação, deve aumentar a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual na quarta-feira. E crescem as preocupações de que os aumentos agressivos de juros do Fed irão desacelerar o investimento, prejudicar a criação de empregos e, finalmente, levar a economia à recessão.

O quanto o Fed aumentará os juros em setembro e além pode depender em parte de como os consumidores passarão de padrões de compra impulsionados pela pandemia para um misto diferente de bens e serviços, ou se serão forçados a recuar em todos os aspectos.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos