Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.038,25
    +124,01 (+0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

CORREÇÃO-Americanas tem prejuízo no 3° tri com queda de vendas e mudança de estratégia

(No 11º parágrafo, corrige variação da alavancagem para "-1 vez" ante "1 vez")

(No 11º parágrafo, corrige variação da alavancagem para "-1 vez" ante "1 vez")

Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) - A varejista Americanas teve prejuízo líquido de mais de 200 milhões de reais no terceiro trimestre, diante de queda nas vendas, em especial de eletrônicos, e após adotar estratégia mais conservadora para preservar rentabilidade. O balanço também foi pressionado por alta de juros, que impactou o resultado financeiro.

A Americanas teve prejuízo líquido de 212 milhões de reais de julho ao final de setembro, revertendo lucro de 241 milhões no mesmo período de 2021.

A empresa disse que pesaram nas vendas uma "forte desaceleração" em categorias de preço mais alto, como eletrônicos, e uma decisão estratégica da companhia de ser "menos agressiva comercialmente" para preservar margem bruta em um cenário que a Americanas vê como de baixa demanda e alta competição.

A margem bruta da empresa avançou 0,5 ponto percentual em 12 meses, a 31,9%.

Fruto desses fatores, o resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado caiu 21,6%, para 582 milhões de reais, bem abaixo das expectativas de analistas, que esperavam, em média, Ebitda de 728 milhões de reais, segundo dados da Refinitiv.

A receita líquida recuou 13,4% em base anual, para 5,4 bilhões de reais, diante da queda de 8,3% nas vendas totais, o que inclui o marketplace (GMV).

"A indústria subiu fortemente os preços, como reflexo da pressão inflacionária e da taxa de juros elevada, e as famílias brasileiras, endividadas e com poder de compra reduzido, deixaram de comprar itens mais caros", disse Miguel Gutierrez, presidente da Americanas, no balanço.

No comércio eletrônico, o declínio apurado pela Americanas foi de 14,4% ano a ano, sendo de 31,8% nas vendas de estoque próprio e praticamente estável no marketplace. O varejo físico se destacou e mostrou crescimento de 12,4%.

"LÓGICA INVERTIDA"

Gutierrez disse que no terceiro trimestre inverteu-se no varejo brasileiro "a lógica de vender em um prazo mais curto que o pagamento de seus fornecedores".

Segundo ele, essa situação gerou "um desfinanciamento que reflete a redução nas vendas, a renovação do sortimento de itens de cauda longa, o pagamento feito aos fornecedores e a manutenção do programa de antecipação à fornecedores com caixa próprio".

A relação dívida líquida sobre Ebitda ajustado subiu de -1 vez no terceiro trimestre do ano passado para 1,7 vez em setembro.

As despesas operacionais da Americanas caíram 1,6%, para 1,6 bilhão de reais, com recuo na linha de despesas com vendas.

A Americanas disse que teve de fazer ajustes em despesas como com pessoal, lojas e marketing "com o objetivo de reprogramar a estrutura da companhia", acrescentando que esses impactos devem se refletir totalmente apenas no quarto trimestre.

A Americanas informou que tem estoque preparado para a demanda do quarto trimestre, com Copa do Mundo, Natal e Black Friday, e afirmou que no Dia das Crianças cresceu "o dobro do mercado".

O resultado financeiro da Americanas ficou negativo em 612,6 milhões de reais, mais do que o dobro ante um ano antes, e pesou na última linha do balanço, reflexo da escalada de juros e da estrutura de capital da companhia no trimestre, disse a empresa.

O consumo de caixa da Americanas atingiu 2,1 bilhões de reais no terceiro trimestre.