Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.379,31
    +54,14 (+0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Americanas pede recuperação judicial; confira os maiores casos no Brasil

Odebrecht, Oi e Eike Batista; relembre os casos

Pedido de recuperação judicial da Americanas é aceito pelo Judiciário do Rio de Janeiro
Pedido de recuperação judicial da Americanas é aceito pelo Judiciário do Rio de Janeiro
  • Varejista aponta dívida de R$ 43 bilhões e um caixa de apenas R$ 250 milhões;

  • Recuperação judicial é uma ferramenta jurídica para que a empresa tenha chances de se recuperar;

  • Odebrecht, Oi e Eike Batista; relembre os casos.

A Americanas entrou com um pedido de recuperação judicial no Judiciário do Rio de Janeiro. A empresa alega dívidas de R$ 43 bilhões e um caixa operacional de apenas R$ 250 milhões. Em seu pedido, a varejista alegou dificuldades na negociação com credores e a necessidade de manter as lojas operacionais devido ao grande volume de trabalhadores que emprega.

O pedido de recuperação judicial é um mecanismo financeiro e judicial criado para que a empresa não entre em falência e crie um caos trabalhista com tantas demissões e deixe de pagar o credores. O foco do processo é renegociar as dívidas sob a supervisão de um juiz. Para isso geralmente são feitas a venda de ativos, a conversão de débitos em ações e uma reorganização da empresa. O plano precisa ser aprovado por 50% dos credores

As maiores e mais famosas recuperações judiciais no Brasil

Nos últimos anos houveram casos bem famosos de recuperações judiciais no Brasil. Confira as maiores:

Odebrecht

A empreiteira Odebrecht, uma gigante da construção civil, se viu diante de uma crise ao se envolver na Operação Lava Jato. A empresa, junto de outras empreiteiras brasileiras, teriam formado um cartel para dividir obras públicas mediante o pagamento de propina a membros do governo.

Com a crise, a Odebrecht registrou problemas financeiros na casa de R$ 98,5 bilhões e entrou com o pedido em 2019. O processo ainda está em andamento e a empresa trocou de novo, passando a ser chamada de Novonor.

Oi

A Oi, empresa de telefonia e telecomunicações, teve um dos processos de recuperação judicial mais famosos em todo Brasil. Encerrado no final do ano passado após seis anos de negociações, a empresa conseguiu continuar ativa na área. A dívida da empresa chegava a R$ 65 bilhões.

A empresa deve auxiliar a Americanas com seus procedimentos. A varejista também contratou uma executiva financeira que participou da recuperação da Oi para seu quadro de funcionários

Samarco

A companhia de mineração abriu seu pedido de recuperação judicial em 2021 após a descoberta de R$ 50 bilhões em dívidas. O processo de recuperação ainda está em andamento. No entanto, a empresa enfrenta outros problemas judiciais desde o rompimento da barragem de Mariana, Minas Gerais, em 2015. O desastre foi considerado um dos maiores desastres ambientais do Brasil e matou diretamente 19 pessoas.

OGX

A petroleira OGX, menina dos olhos de ouro do grupo empresarial de Eike Batista, entrou com um pedido de recuperação em 2013. O executivo, que chegou a ser o homem mais rico do Brasil e 8º mais rico do mundo, adorava aparecer na mídia, fazendo com que a queda de duas empresas por envolvimento em desdobramentos da operação Lava Jato fosse também extremamente divulgada.

O processo de recuperação judicial do grupo durou cerca de 4 anos e viu a reestruturação de uma dívida de R$ 13,8 bilhões. Eike Batista conseguiu manter 0,65% da empresa, com 95% ficando na mão dos credores.