Mercado abrirá em 51 mins
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,84
    -0,04 (-0,05%)
     
  • OURO

    1.925,80
    -5,00 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    23.440,70
    -356,52 (-1,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,34
    -9,97 (-1,83%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.834,56
    +14,40 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.654,00
    -192,75 (-1,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5015
    +0,0118 (+0,21%)
     

Americanas pagou o dobro em dividendos que seus principais concorrentes

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.01.2023 - Movimentação em frente à loja da Americanas no centro de SP. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.01.2023 - Movimentação em frente à loja da Americanas no centro de SP. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - No centro de um escândalo contábil que a levou a pedir recuperação judicial, a Americanas distribuiu mais de R$ 2 bilhões em dividendos a acionistas na última década. O valor é bem superior ao pago por algumas das maiores varejistas do país.

Para especialistas, a diferença reflete uma política de dividendos mais agressiva do que a de suas concorrentes, que passaram os últimos anos mais focadas em crescimento do que em remunerar acionistas.

Levantamento feito por Einar Rivero, da consultoria TradeMap, mostra que, entre 2013 e o terceiro trimestre de 2022, a Americanas distribuiu R$ 2,1 bilhões a seus acionistas, em valores corrigidos pela inflação do período.

É praticamente o dobro dos R$ 1,1 bilhão distribuídos no mesmo período pela Magalu e dos R$ 1 bilhão distribuídos pela Via Varejo, em valores também corrigidos pela inflação. A Americanas ainda não comentou o assunto.

Nesta quinta-feira (19), em meio a uma batalha judicial com seus maiores credores após o anúncio de um escândalo contábil, a companhia entrou com pedido de recuperação judicial para equacionar uma dívida de R$ 43 bilhões.

A empresa não vinha contabilizando devidamente como dívida operações de crédito para financiar a compra de mercadorias junto a fornecedores ao longo dos últimos anos, estratégia que veio a público na semana passada.

Especialista em renda variável na Nexgen Capital, Heitor Martins diz que a empresa sempre teve uma estratégia mais agressiva em relação ao pagamento de dividendos do que suas concorrentes, mas que ainda não é possível relacionar a estratégia contábil à maior oferta de recursos para os acionistas.

"Quando uma empresa não coloca a dívida no balanço, que é o que está acontecendo com Americanas, tem fluxo de caixa maior, o que possibilita distribuição maior de dividendos, tanto para majoritários quanto para minoritários", afirma.

"Mas não se pode cravar isso [no caso da Americanas], porque ainda precisa de auditoria oficial para ver qual foi o tamanho real do problema", pondera.

Em 2022, os acionistas da Americanas aprovaram a distribuição de R$ 516 milhões, o equivalente a 95% do lucro registrado no ano anterior --o restante seria destinado a reserva legal. Até setembro, segundo o levantamento feito por Rivero, haviam sido pagos R$ 338,6 milhões, em valores corrigidos.

Considerando a inflação, é o segundo maior dividendo já distribuído pela companhia em um mesmo ano, atrás apenas dos R$ 344,6 milhões de 2020.

Entre os maiores beneficiários da política de dividendos da companhia, estão o chamado grupo de acionistas de referência, formado pelos bilionários Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles, que têm 31% da companhia.

Outros grandes acionistas são as gestoras de fundos de investimento Capital Group (9,91%), Blackrock (5,05%) e a TIAA Cref, que administra aposentadorias de professores dos Estados Unidos (6,05%).

Quase metade do valor distribuído pela Americanas a seus acionistas na última década foi concentrada entre 2020 e 2022. No mesmo período, a empresa também ampliou significativamente a remuneração de seus executivos.

Entre 2020 e 2021, o valor médio pago a diretores praticamente dobrou, passando de R$ 4,3 milhões, em valor corrigido pelo IPCA, para R$ 8,5 milhões. A proposta para 2022 previa uma média de R$ 11,8 milhões em salários, bônus e ações.

Os elevados ganhos da diretoria da Americanas são citados pelo escritório Antonelli Advogados em proposta a investidores para abrir uma ação coletiva contra a empresa nos Estados Unidos, na tentativa recuperar a perda com o derretimento das ações após o anúncio do escândalo contábil.