Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.921,43
    +590,71 (+1,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Americanas e Lojas Americanas avançam em processo de fusão, controladores serão diluídos

·1 min de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - As varejistas Americanas, anteriormente conhecida como B2W, e Lojas Americanas disseram nesta quarta-feira que seus controladores serão diluídos em fusão entre as duas companhias e deterão uma participação de 29,2% participação na empresa combinada Americanas.

Os bilionários brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira, fundadores da 3G Capital, atualmente controlam a Lojas Americanas e se tornarão "acionistas de referência" e não deterão mais do que 50% do capital votante.

Eles decidiram abrir mão do controle da Lojas Americanas sem cobrar um prêmio por isso, disseram as empresas.

Uma vez concluída a operação, as ações da Americanas detidas por Lojas Americanas serão canceladas e cada acionista da Lojas Americanas receberá 0,186 ação ordinária da Americanas.

Um laudo de avaliação encomendado pela Lojas Americanas no âmbito da operação avaliou o patrimônio líquido de Lojas Americanas em 10,344 bilhões de reais, enquanto o patrimônio líquido da Americanas foi avaliado em 25,877 bilhões de reais.

A administração de Lojas Americanas também acrescentou que permanece a possibilidade de uma reorganização para migrar sua base acionária para uma nova sociedade, com sede no exterior, cujas ações seriam listadas nos Estados Unidos.

"Os méritos dessa ideia continuam presentes, tanto quanto o reconhecimento da relevância e complexidade do tema e de sua eventual implementação, que não deve retardar o aproveitamento dos benefícios da consolidação societária das duas entidades, ora proposta."

(Reportagem de Gabriel Araujo e Tatiana Bautzer)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos