Mercado fechará em 5 h 31 min
  • BOVESPA

    109.741,88
    -209,61 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.125,01
    -210,50 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,95
    -0,52 (-0,66%)
     
  • OURO

    1.893,80
    +3,10 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    22.717,17
    -387,01 (-1,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,63
    -13,26 (-2,47%)
     
  • S&P500

    4.117,86
    -46,14 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    33.949,01
    -207,68 (-0,61%)
     
  • FTSE

    7.942,74
    +57,57 (+0,73%)
     
  • HANG SENG

    21.624,36
    +340,84 (+1,60%)
     
  • NIKKEI

    27.584,35
    -22,11 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    12.676,00
    +130,75 (+1,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6000
    +0,0326 (+0,59%)
     

Americanas diz que vendas e entregas não foram afetadas após recuperação judicial

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.01.2023 - Movimentação em frente à loja Americanas da rua Direita, em SP. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.01.2023 - Movimentação em frente à loja Americanas da rua Direita, em SP. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em uma tentativa de acalmar os clientes após pedir recuperação judicial, a Americanas afirmou neste sábado (21) que suas operações não foram afetadas por eventuais restrições de caixa e que não houve alteração na demanda dos clientes, na oferta de produtos e no fluxo de pagamentos.

A empresa afirma ainda que trabalha em um plano estratégico de otimização de recursos para garantir a sustentabilidade da companhia no curto prazo, o que inclui a reestruturação da operação.

"Faz parte do nosso dia a dia verificar e ajustar eventuais desequilíbrios de um ou outro ponto. Agora a gente entrou em um processo de recuperação judicial e isso nos obrigará a olhar esses pontos com mais foco. Certamente vamos ajustar aquilo que não for essencial para a gente", disse à Folha de S.Paulo Marcio Chaer, diretor de operações e relacionamento com o consumidor da Americanas.

"Nossa grande preocupação é manter o nosso papel de atendimento, manter a capacidade operacional. Eventualmente atividades que não sejam completamente focadas nisso vão fazer parte da nossa revisão."

Ele afirmou que a empresa continua verificando o mesmo nível de demanda, tanto dos clientes como de parceiros (fornecedores e empresas de entrega, por exemplo). Também não houve aumento no cancelamento de compras, diz ele.

"A venda continua igual. Não teve alterações. O abastecimento continua normal, as gôndolas continuam com o mesmo sortimento que já tinham. O site também está operando normalmente, com o mesmo nível de preços."

O executivo afirma que a companhia tem conversado com empresas responsáveis pelo fornecimento de produtos, pelo abastecimento das lojas e pela entrega das compras, além de reforçar os canais de comunicação com os clientes e prestar esclarecimentos a órgãos de defesa do consumidor.

"Todos os sinais já estão muito claros para os nossos parceiros, por isso que a gente tem mantido tudo normal. Nada foi afetado", afirmou.

"Nesta semana, a gente manteve os fluxos já programados, tanto de repasses para os nossos parceiros de vendas do marketplace, como o pagamento da operação e entrega do digital", disse Chaer, que destaca não haver atraso em entregas além do que ocorre normalmente.

A empresa também diz que o cashback nas contas digitais da Ame também segue disponível.

O executivo afirmou que não poderia falar sobre os problema de caixa da companhia e questões relacionadas à recuperação judicial, mas disse que nada mudou do ponto de vista dos clientes.

Questionado se a companhia terá condições de manter a normalidade das operações nas próximas semanas, afirmou que o foco da empresa é tirar as dúvidas dos parceiros comerciais para garantir que o fluxo de entrega e abastecimento continue normal.

"Não há previsão de alteração agora. Não faz sentido, uma vez que as vendas continuam normais e o estoque também. A gente tem de garantir que essa engrenagem continue funcionando adequadamente."

Por causa do escândalo contábil no qual R$ 20 bilhões deixaram de ser registrados como dívidas no balanço, a Americanas entrou em recuperação judicial na última quinta (19).

A varejista tem uma dívida de aproximadamente R$ 43 bilhões com 16,3 mil credores, configurando o quarto maior pedido de recuperação judicial da história do Brasil.