Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.917,22
    -29,64 (-0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Americanas diz que pode pedir recuperação judicial "nas próximas horas"

Americanas

SÃO PAULO (Reuters) - A Americanas afirmou nesta quinta-feira que avalia entrar com um pedido de recuperação judicial em caráter de urgência "nos próximos dias" ou "nas próximas horas" diante de sua posição de caixa, uma semana após revelar um escândalo contábil de pelo menos 20 bilhões de reais.

A companhia afirmou que sua posição de caixa é de 800 milhões de reais, dos quais "parcela significativa" estava "injustificadamente indisponível para movimentação na data de ontem".

A empresa também afirmou que o comitê independente criado para apurar o rombo bilionário já conta com uma substituição de integrante: Eduardo Flores, contador e ex-presidente do conselho fiscal da rival Via, foi nomeado no lugar de Pedro Mello. A Americanas não informou o motivo da troca.

No documento em que ameaça o pedido de recuperação judicial, a Americanas cita a decisão da Justiça do Rio de Janeiro na quarta-feira que reverteu entendimento anterior que protegia a companhia contra credores por 30 dias. O caso envolveu o BTG Pactual e uma dívida de 1,2 bilhão de reais.

A Americanas afirmou que vai recorrer da decisão da véspera "que fere seu esforço na busca por uma solução de curto prazo com os seus credores".

A ação da varejista caiu 8,4% na quarta-feira, acumulando desvalorização de 85,5% desde a tumultuada revelação do escândalo.

(Por Alberto Alerigi Jr.)