Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,45
    +0,31 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.886,00
    +1,20 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    23.247,46
    +456,82 (+2,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    534,56
    +8,61 (+1,64%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.685,47
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    12.753,00
    -23,75 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5789
    +0,0596 (+1,08%)
     

Americanas deixa de pagar juros de 17ª emissão de debêntures

SÃO PAULO (Reuters) - A Americanas, no centro de um dos maiores escândalos corporativos da história do país, deixou de pagar na véspera juros remuneratórios da 17ª emissão de debêntures da companhia, conforme informação publicada nesta terça-feira pela empresa em resposta a questionamentos da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

"Conforme escritura da 17ª emissão de debêntures, em sua cláusula 4.2.2, consta a previsão de pagamento de juros remuneratórios nesta data (16/01/2023), o qual não foi liquidado, tornando o ativo inadimplente", afirma a comunicação recebida pela Americanas.

A companhia respondeu citando que a decisão da 4ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro permite que a empresa dê calote no título.

"Tendo em vista o disposto na decisão proferida pelo Juízo da 4ª Vara Empresarial do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, encontra-se suspensa a exigibilidade dos juros remuneratórios", afirmou a Americanas à CVM.

A Americanas obteve na sexta-feira uma importante decisão da Justiça protegendo-a por 30 dias contra vencimento antecipado de dívidas, prazo que a varejista poderá usar para forçar um acordo com credores ou pedir recuperação judicial.

O BTG Pactual, um dos principais credores da companhia, recorreu no final de semana contra a decisão da 4ª vara da Justiça do Rio de Janeiro, argumentando que a liminar determina ilegalmente o estorno de um pagamento feito pela Americanas ao BTG.

As debêntures da 17ª emissão envolvem uma dívida de 2 bilhões de reais, com recursos para reforço do caixa da companhia e para fazer frente às dívidas com vencimento em 2022 e 2023, conforme ata de reunião do conselho de administração da Americanas publicada em junho do ano passado.