Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.527,31
    +685,93 (+1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

American Girl lança boneca sino-americana após crimes de ódio

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Conheça a mais nova American Girl: o nome dela é Corinne, ela gosta de esquiar e é a única boneca sino-americana no rol da marca.

Most Read from Bloomberg

American Girl Brands, uma subsidiária da Mattel, lançou a Corinne Tan em 1º de janeiro -- logo após a temporada de feriados -- em parte em resposta ao aumento da violência contra os americanos de origem asiática.

“Criamos Corinne para ser um modelo positivo para que nossos fãs possam admirar e aprender com ela, enquanto trabalhamos para um mundo onde todos sejam tratados com justiça e respeito”, disse a diretora-geral da American Girl, Jamie Cygielman, em comunicado. A boneca Corinne -- acompanhada de acessórios temáticos, livros sobre sua vida e uma irmã chamada Gwynn -- estará a venda por pelo menos dois anos.

Mattel, a fabricante da Barbie, tem sido muito criticada pela falta de diversidade racial em seus produtos e por perpetuar padrões de beleza irreais, embora tenha lançado mais bonecos não-brancos recentemente. Entre as dezenas de American Girls lançadas ao longo dos anos, Corinne é uma das seis de ascendência asiática. A empresa descontinuou a produção da Ivy Ling, sua primeira boneca sino-americana, em 2014.

O lançamento de Corinne ocorre em meio a um aumento de crimes de ódio anti-asiáticos nos EUA. Houve mais de 10.000 relatos de discriminação anti-asiática desde o início da pandemia em março de 2020, mostram dados do stopaapihate.org.

Cynthia Choi, co-CEO da Chinese for Affirmative Action e fundadora do Stop AAPI Hate, aplaudiu o esforço de falar com as crianças sobre o racismo anti-asiático de uma maneira apropriada para a idade.

“O que eu realmente espero é que haja alguma parte da história de Corinne que faça os leitores se sentirem vistos, seja porque eles são asiático-americanos, ou porque fazem parte de uma família mista, ou porque amam esquiar”, disse Wendy Wan-Long Shang, autora dos livros da Corinne, em comunicado.

“Eu acho que quando os leitores se sentem vistos, eles percebem que eles e suas experiências são importantes, e que foram feitos para serem as estrelas de suas próprias histórias.” Shang desenvolveu os personagens junto com o ilustrador Peijin Yang.

Corinne, como muitas mulheres e meninas asiático-americanas retratadas na mídia, tem o cabelo com mechas azuis. Rae Chen, que em 2018 escreveu um artigo na Teen Vogue observando a tendência de Hollywood de dar às mulheres asiáticas rebeldes cabelos coloridos, considerou essa decisão decepcionante.

“Eles estão promovendo a ideia de que para ter uma identidade independente como pessoas não brancas, temos que modificar intencionalmente o que nos torna alguém não branco”, disse Chen. “Você não deveria ter que pintar o cabelo para ter a energia de personagem principal.”

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos