Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.272,39
    +743,20 (+1,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,79 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

American Airlines perde US$ 8,9 bilhões em 2020

·1 minuto de leitura
American Airlines perdeu US$ 8,9 bilhões em 2020

Fortemente afetada pela queda nas vendas de passagens aéreas desde o início da pandemia, a companhia aérea American Airlines perdeu US$ 8,9 bilhões em 2020, após uma queda de 62% em seu volume de negócios - anunciou a empresa nesta quinta-feira (28).

No quarto trimestre, a companhia registrou perda líquida de US$ 2,2 bilhões, após uma queda de 64% em sua receita, detalha a nota da American Airlines.

A empresa acaba de viver "o ano mais difícil de sua história", nas palavras de seu CEO, Doug Parker.

Para o primeiro trimestre de 2021, a American prevê uma queda entre 60% e 65% de seu volume de negócios em relação ao mesmo período de 2019, antes de a pandemia paralisar o tráfego aéreo.

A American Airlines dispensou 19.000 funcionários em outubro antes de readmiti-los, após a adoção de novas ajudas por parte do governo dos Estados Unidos para o setor aéreo.

O grupo reduziu seus gastos operacionais e de investimento em US$ 17 bilhões em 2020, graças, principalmente, ao cancelamento de vários voos. Apesar dessas medidas, perdeu US$ 30 milhões por dia no quarto trimestre.

A companhia aérea recebeu US$ 9 bilhões das autoridades americanas e obteve um empréstimo do governo de até US$ 7,5 bilhões. No momento, recorreu a apenas US$ 550 milhões.

jum/esp/gma/rs/tt