Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.611,50
    +158,58 (+0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Ameaças à oferta global elevam café em NY para máxima em 7 anos

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- Problemas de abastecimento do Brasil ao Vietnã impulsionam os preços do café, que atingiu a maior cotação em sete anos em Nova York. Investidores reagem ao clima adverso, gargalos logísticos e custos mais altos de fertilizantes que ameaçam reduzir a oferta.

Most Read from Bloomberg

Os futuros do grão arábica para entrega em março chegaram a registrar alta de 2,6%, cotados a US$ 2,189 por libra-peso em Nova York, o maior valor desde 16 de outubro de 2014. As cotações subiram mais de 90% nos últimos 12 meses.

A oferta do Brasil, maior produtor mundial de café, foi reduzida pela seca e geadas que danificaram os cafeeiros. Na Colômbia, segundo maior fornecedor de arábica, o excesso de chuvas afetou a produtividade e pode propiciar o surgimento de doenças nos pés de café. O salto dos preços dos fertilizantes agrava os problemas de agricultores, enquanto os custos de frete elevados e a falta de navios porta-contêineres dificultam a exportação de grãos.

O avanço dos contratos futuros pode elevar ainda mais os preços em cafeterias e supermercados quando a inflação dos alimentos se acelera. Algumas empresas já reajustaram os preços, e os custos mais altos atingiriam em cheio os bolsos dos consumidores. Em outubro, os preços ao consumidor dos EUA subiram no maior ritmo anual em 30 anos, segundo dados do governo.

O La Niña deve se intensificar nos próximos três meses antes de desaparecer em 2022, de acordo com o Centro de Previsão do Clima dos EUA. O fenômeno climático pode ter forte impacto nos mercados agrícolas da América do Sul com a ameaça de condições mais secas.

Além disso, os preços dos fertilizantes no Brasil enfrentam ainda mais pressão devido ao aumento das restrições às exportações globais e demanda estável, de acordo com a Bloomberg Intelligence.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos