Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.756,28
    -2.555,07 (-5,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Ameaça de greve de caminhoneiros não é problema da Petrobras, diz CEO

Marta Nogueira e Sabrina Valle
·1 minuto de leitura
Roberto Castello Branco, CEO da Petrobras

Por Marta Nogueira e Sabrina Valle

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A ameaça de greve de caminhoneiros, que busca pressionar pela redução de preços do diesel, não é problema da Petrobras, que segue praticando preços de paridade internacional, afirmou nesta quinta-feira o presidente da petroleira estatal, Roberto Castello Branco.

O movimento para uma greve a partir de segunda-feira ganhou nesta semana a adesão da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL), uma das principais entidades da categoria no país.

Uma paralisação anterior, em 2018, criou grandes prejuízos econômicos para o país.

"Este é um problema que não é da Petrobras", afirmou Castello Branco, ao participar de evento online do Credit Suisse.

O executivo pontuou que "constantemente grupos de pressão recorrem aos políticos para intervir" nos preços da companhia. No entanto, ele frisou que a Petrobras segue praticando valores de paridade internacional.

"Todo mundo sabe onde bater, na porta da Petrobras", ressaltou. "A Petrobras não será mais vilão."

"Em função da política de preços independente da Petrobras, sem interferência do governo, seguindo preços de paridade internacional, temos atraído investidores."

Castello Branco ressaltou ainda, durante sua participação no evento, a importância da venda de refinarias da Petrobras, além dos ativos de distribuição e transporte de gás, em busca de eliminar a posição quase monopolista da companhia.

(Por Marta Nogueira e Sabrina Valle)