Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,70
    +0,09 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.845,80
    -5,10 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    32.213,10
    -357,59 (-1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    649,43
    +2,11 (+0,33%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.717,22
    +171,04 (+0,60%)
     
  • NASDAQ

    13.550,25
    +64,75 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5134
    +0,0026 (+0,04%)
     

Ambos lados alegam vitória em conflito na Etiópia; grupo de Tigré é acusado de massacre

·3 minuto de leitura
Refugiados etíopes do conflito em Tigré na região de fronteira entre Etiópia e Sudão

ADIS-ABEBA/NAIRÓBI (Reuters) - O grupo de direitos humanos indicado pelo governo da Etiópia acusou um grupo da juventude de Tigré nesta terça-feira de massacrar centenas de civis enquanto as forças federais e locais alegavam avanços em um confronto de três semanas no montanhoso norte do país.

O governo do primeiro-ministro Abiy Ahmed afirmou que soldados inimigos estão se rendendo diante de seu avanço rumo à capital regional, mas as forças locais relataram que estão resistindo e que destruíram uma divisão prestigiosa do Exército.

A Comissão de Direitos Humanos da Etiópia publicou as conclusões a respeito de um ataque em 9 de novembro em Mai Kadra, no estado de Tigré --relatado pela primeira vez pela Anistia Internacional--, nas quais informou que um grupo de jovens chamado Samri matou pelo menos 600 pessoas dos grupos étnicos minoritários Amhara e Wolkait na cidade.

A Frente de Libertação do Povo do Tigré (TPLF) não estava disponível de imediato para comentar, mas já negara envolvimento anteriormente.

A Reuters não conseguiu confirmar comunicados de nenhum dos lados, já que os telefones e a internet não estão funcionando em Tigré e o acesso à área é controlado rigorosamente.

Centenas morreram e mais de 41 mil refugiados fugiram para o vizinho Sudão desde o início do confronto. A destruição é generalizada, e pessoas foram expulsas de casa na região de Tigré, no norte do país.

A guerra de três semanas afetou a Eritreia, contra a qual os combatentes de Tigré lançaram foguetes, e também a Somália, onde a Etiópia desarmou várias centenas de nativos de Tigré de uma força pacificadora que combatia militantes ligados à Al Qaeda.

O governo etíope alegou que muitos combatentes de Tigré responderam a um ultimato para deporem as armas antes de uma ofensiva contra a cidade de Mekelle, que tem meio milhão de habitantes. O prazo vence na quarta-feira.

"Usando o período de 72 horas do governo, um número grande de milícias e forças especiais de Tigré está se rendendo", disse uma força-tarefa do governo.

Experiente em batalhas, a TPLF, que governava a região de 5 milhões de habitantes, deu uma versão diferente, dizendo que suas tropas estão mantendo as forças federais à distância e obtendo grandes vitórias.

Seu porta-voz, Getachew Reda, disse que uma unidade importante do Exército --que ele identificou como a 21ª divisão mecanizada-- foi destruída em um ataque a Raya-Wajirat liderado por um ex-comandante da unidade que agora luta pela TPLF.

Billene Seyoum, porta-voz do premiê etíope, negou a afirmação.

Os Estados Unidos --que veem a Etiópia como uma aliada poderosa em uma região turbulenta--, a França e o Reino Unido foram as potências estrangeiras mais recentes a clamar pela paz.

Washington apoiou os esforços de mediação da União Africana (UA) "para encerrar este conflito trágico já", enquanto Paris e Londres alertaram para a discriminação étnica.

(Da redação de Adis-Abeba, Omar Mohammed, Nazanine Moshiri, Maggie Fick e Katharine Houreld em Nairóbi, Stephanie Nebehay e Emma Farge em Genebra)