Mercado abrirá em 1 h 20 min
  • BOVESPA

    109.717,94
    -517,82 (-0,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.460,55
    +652,34 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    92,97
    -1,37 (-1,45%)
     
  • OURO

    1.802,40
    -4,80 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    23.688,04
    -855,54 (-3,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    561,96
    -12,78 (-2,22%)
     
  • S&P500

    4.207,27
    -2,97 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    33.336,67
    +27,16 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.477,75
    +11,84 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.354,50
    +43,25 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3159
    -0,0078 (-0,15%)
     

Ambiguidade sobre casos de pedofilia e celibato derruba arcebispo de Paris; papa aceita demissão

·1 min de leitura

O papa Francisco aceitou a renúncia do arcebispo de Paris, monsenhor Michel Aupetit, anunciou nesta quinta-feira (2) o Vaticano. Em meio aos escândalos de pedofilia na Igreja Católica francesa, o líder eclesiástico tinha apresentado seu pedido de demissão no final de novembro, depois de ter sido acusado na imprensa de manter um relacionamento com uma mulher, o que Aupetit negou de maneira categórica.

A revista Le Point revelou a suposta relação do arcebispo em 25 de novembro. Na reportagem, a publicação afirmou que Aupetit teve "uma relação íntima e consentida com uma mulher" em 2012. A informação teria vazado em um e-mail que o religioso enviou por engano.

A diocese de Paris admitiu que o arcebispo se comportou de maneira "ambígua" com uma mulher naquele ano, mas negou que fosse um relacionamento amoroso ou sexual e assegurou que, naquela época, Aupetit procurou os superiores para informar sobre a situação.

Os bastidores da queda do arcebispo indicam, no entanto, que a insatisfação com o religioso era bem mais ampla do que o desrespeito ao celibato exigido dos padres. Mais do que os rumores sobre essa suposta relação, proibida pela Igreja Católica, ele perdeu o apoio de vigários e se tornou desafeto de famílias ultracatólicas de Paris, ao não condenar os abusos sexuais cometidos por padres contra 216.000 menores de idade, entre 1950 e 2020. Os casos foram revelados pela comissão independente de investigação coordenada por Jean-Marc Sauvé.


Leia mais

Leia também:
Bispos franceses devem decidir em reunião sobre indenização a vítimas de abusos sexuais na França
Bispos franceses reconhecem "responsabilidade institucional" da Igreja em escândalo de pedofilia
Igreja francesa vai vender propriedades para indenizar vítimas de abuso sexual

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos