Mercado fechado

Ambev vai financiar sistema de delivery para bares e restaurantes

SHEYLA SANTOS
·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Ambev irá financiar o Open Delivery, sistema de entregas para bares e restaurantes que a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) pretende lançar em março de 2021 para unificar as entregas no setor, medida que deve impactar o domínio de aplicativos que oferecem o serviço, como iFood e Uber Eats. A informação sobre o apoio da Ambev foi dada pelo presidente da Abrasel, Paulo Solmucci, e confirmada pela empresa. Segundo a companhia, a iniciativa é uma forma de apoiar o setor de bares e restaurantes. "Queremos colaborar com o projeto através da startup Get In, que faz parte do grupo de startups parceiras da Ambev e tem como missão ajudar bares e restaurantes em sua gestão", afirma a empresa em nota. De acordo com Solmucci, presidente da associação, a iniciativa Open Delivery não terá custo para donos de bares e restaurantes e irá ampliar a concorrência em um ambiente de monopólio. Hoje, o iFood detém, segundo Solmucci, 70% do mercado. "Não é uma plataforma, não é um aplicativo. O Open Delivery é um código de aberto de informação que padroniza a informação e vai conversar com todos os softwares", disse. Segundo o presidente da Abrasel, a iniciativa é uma demanda de empresários do setor insatisfeitos com as altas taxas cobradas pelas principais principais empresas de entregas por aplicativos, que cobram entre 15% e 30% do valor da operação. "Hoje os bares e restaurantes acabam recebendo pedidos de vários aplicativos. O código aberto irá permitir que todas as empresas adotem cardápio e horário de funcionamento em um único lugar", afirma. Além do apoio da Ambev, a Abrasel diz que está negociando com outras empresas interessadas no projeto. Em nota enviada à reportagem, a varejista Magazine Luiza confirmou que "representantes do Magalu, de fato, participaram de uma reunião recente com executivos da Abrasel, promovida por um de seus fornecedores", mas não fechou acordo. A empresa afirma, em nota, que apesar do encontro, em nenhum momento, porém, houve qualquer posicionamento do Magalu no sentido de participar da iniciativa, que a empresa respeita mas da qual não tem conhecimento profundo. A Google também confirmou à reportagem que foi procurada pela Abrasel para apresentação do projeto. Em nota, a empresa afirma que não firmou parceria com o 'Open delivery'. "Reforçamos nosso compromisso em apoiar todos os atores do ecossistema local, entre associações, donos de estabelecimentos, empresas de tecnologia e outros, na busca por produtos e recursos para facilitar e melhorar cada vez mais o dia a dia das pessoas," afirma a empresa em nota. Solmucci afirma que o Open Delivery reúne todas as empresas de tecnologia que atuam no setor, que o movimento é de âmbito nacional e poderá ser integrado ao Pix. "O Pix vai poder levar todo o pedido do cliente já junto com o pagamento", disse. O presidente da associação diz que até dezembro haverá uma nova reunião de um comitê que reúne a Abrasel, além de especialistas nas áreas de governança, logística, compliance e assuntos regulatórios. Paulo Eduardo Guimarães, presidente da AFRAC (Associação Brasileira de Automação para o Comércio), que apoia o projeto, explica que o Open Delivery é um padrão de comunicação, que poderá ser adotado por aplicativos próprios de restaurantes e também por grandes empresas que atuam no setor. "É um padrão de comunicação que as empresas de tecnologia e de software vão implementar e qualquer restaurante e empresa de tecnologia poderão se conectar", explica. Em nota, o iFood disse acreditar na importância de soluções para o mercado de restaurantes e no diálogo entre os participantes. Procurada pela reportagem, Uber Eats não se posicionou até o fechamento da matéria.