Mercado abrirá em 7 h 47 min
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,42
    -0,71 (-1,34%)
     
  • OURO

    1.861,70
    -4,20 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    31.193,39
    +625,68 (+2,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    618,09
    -61,82 (-9,09%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.477,85
    -449,91 (-1,50%)
     
  • NIKKEI

    28.655,45
    -101,41 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    13.348,75
    -46,75 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5142
    +0,0058 (+0,09%)
     

Amazonas vai punir quem divulgar notícias falsas sobre pandemia

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
General view of an area reserved for the burial of COVID-19 victims at the Nossa Senhora Aparecida cemetery in Manaus, Brazil, on January 5, 2021. (Photo by MICHAEL DANTAS / AFP) (Photo by MICHAEL DANTAS/AFP via Getty Images)
General view of an area reserved for the burial of COVID-19 victims at the Nossa Senhora Aparecida cemetery in Manaus, Brazil, on January 5, 2021. (Photo by MICHAEL DANTAS / AFP) (Photo by MICHAEL DANTAS/AFP via Getty Images)

Quem divulgar notícias falsas sobre pandemias e epidemias em Amazonas pode ser punido com multa de R$ 1 mil a R$ 10 mil. A lei foi publicada na semana passada pelo governo do estado. O valor arrecadado será revertido para o apoio do tratamento de epidemias no Amazonas.

A medida também pode valer em todo o país, já que o deputado federal Ronaldo Carletto (PP-PB) apresentou projeto de lei semelhante. Segundo o texto que tramita na Câmara, quem criar e divulgar fake news relativas à covid-19 pode ser multado no valor de R$ 500 a R$ 10 mil.

Leia também

O estado do Amazonas enfrenta uma nova crise causada pela pandemia. Na semana passada, houve um aumento de 66% na média de mortes pela covid-19 em 14 dias e os hospitais ficaram lotados. Faltam leitos e respiradores.

Desde o dia 4 de janeiro, apenas serviços essenciais, como supermercados e farmácias, estão abertos. O governo determinou o fechamento do comércio após determinação da Justiça, que atendeu a pedido do Ministério Público. O governador Wilson Lima (PSC) tentou fechar as lojas no fim do ano, com o objetivo de conter o avanço do coronavírus, mas recuou diante de protestos de comerciantes.

O Ministério da Saúde tem pressionado a Prefeitura de Manaus a distribuir remédios sem eficácia comprovada para tratar seus pacientes, como cloroquina e ivermectina.