• BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,81
    +0,76 (+1,17%)
     
  • OURO

    1.699,80
    +21,80 (+1,30%)
     
  • BTC-USD

    54.014,86
    +4.373,43 (+8,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.090,89
    +66,68 (+6,51%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.747,85
    +28,72 (+0,43%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.543,75
    +246,50 (+2,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Amazonas e São Paulo restringem atividades por avanço da covid-19 no Brasil

·2 minuto de leitura
Homem segura cilindro de oxigênio em Manaus, Amazonas

O Amazonas aplica medidas restritivas de controle da covid-19 a partir dessa segunda-feira (25) e São Paulo começará a fazer o mesmo à noite, em meio à segunda onda da pandemia que não dá folga ao país, com mais de 217 mil mortes.

O Amazonas, estado brasileiro com proporcionalmente mais mortes pelo novo coronarívus, limita a circulação de pessoas a uma por núcleo familiar para fazer compras e impõe o fechamento de todas as lojas não essenciais até 31 de janeiro.

O sistema de saúde em Manaus, a capital amazonense, entrou em colapso há duas semanas; a falta de oxigênio nos hospitais causou dezenas de mortes e obrigou a evacuação de mais de 200 pacientes para outros estados.

“Estamos em guerra” e sem medidas de confinamento a situação será “muito pior”, disse o prefeito de Manaus, David Almeida, em entrevista à AFP neste sábado.

São Paulo, por sua vez, restringirá sua vida noturna às atividades essenciais, de segunda a sexta-feira, a partir das 20h, e por dois finais de semana inteiros. No estado mais rico e populoso do Brasil, a pandemia "mata uma pessoa a cada seis minutos", disse João Gabbardo, coordenador executivo da célula paulista de combate ao novo coronavírus, na semana passada.

O boletim semanal da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), prestigiada instituição de pesquisa, indicou neste sábado que o Brasil enfrenta um "cenário preocupante", pois desde o início do ano "nenhum estado apresentou tendência de baixa incidência ou mortalidade" do vírus.

Aponta, ainda, que a ocupação de leitos para adultos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) está "em zona de alerta crítico" em muitas capitais e que oito delas apresentam taxa de ocupação "de pelo menos 80%". No Rio de Janeiro, esse índice chega a 99,8% e em Manaus, a 94,1%.

O estado de Rondônia, na região amazônica, anunciou no fim de semana que havia feito um acordo com o governo federal para transferir 543 pacientes afetados pelo covid-19 para outros estados.

Apesar da gravidade da pandemia, o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro se opõe às medidas de confinamento, devido ao seu impacto econômico.

Com 211,8 milhões de habitantes, o Brasil começou a vacinar grupos prioritários na semana passada, mas atualmente tem 12,8 milhões de doses de duas vacinas (a chinesa CoronaVac e a britânica da AstraZeneca/ Oxford, que exigem duas aplicações) e a continuidade do processo depende de insumos que devem chegar da China.

js/yow/ap/mvv