Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.675,93
    +1.527,87 (+2,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Amazon teria pressionado empresas a dividirem dados de dispositivos inteligentes

Felipe Demartini
·2 minuto de leitura

A Amazon está sendo acusada de pressionar fabricantes pequenos da indústria de dispositivos inteligentes a entregarem dados de seus aparelhos. A varejista queria ter acesso à telemetria de termostatos, câmeras, fechaduras e sensores mesmo quando não estivessem sendo utilizados pelos usuários, ameaçando as empresas que não repassassem as informações com sanções na loja online e a perda de certificações.

A denúncia aparece em reportagem do jornal americano The Wall Street Journal e cita nominalmente a Ecobee, fabricante de dispositivos para automação doméstica, assim como outras empresas que não quiseram ter a identidade revelada. Em todas, porém, os relatos são os mesmos: o uso de táticas anticompetitivas para forças as “parceiras” a entregarem informações sobre os usuários, para uso no desenvolvimento de sistemas ligados à assistente de voz Alexa e outras tecnologias da Amazon.

A empresa estava em busca do que chamada de “estado proativo” dos dispositivos, ou seja, a telemetria dos momentos em que eles não estivessem sendo efetivamente usados. Isso implicava em pedidos relacionados à temperatura da casa dos usuários, o estado de trancas inteligentes ou sensores de movimento, em pedidos que foram considerados pelas fabricantes como brechas na privacidade de seus clientes. A Amazon, entretanto, não teria gostado nada de ver suas solicitações sendo recusadas.

Entre as ameaças feitas à Ecobee e outras empresas estariam a exclusão de produtos da varejista ou negativas de participação em eventos de ofertas. Além disso, pelo menos uma das companhias disse que a certificação para compatibilidade com a assistente de voz Alexa foi colocada em jogo pela Amazon caso as informações não fossem repassadas à varejista.

Outras pressões para proteger os próprios negócios envolveriam o uso obrigatório de armazéns e soluções de logística da própria gigante, caso as empresas quisessem vender seus produtos na loja, ou a adoção de práticas de competição contra parceiras do mercado de dispositivos. Tais atos, assim como outros relacionados aos negócios de cloud computing e tecnologia da Amazon, já foram alvo de inquéritos por comissões antitruste do governo americano, que indicou a possível criação de um monopólio e citou instâncias de abuso de poder econômico por parte da companhia.

Em resposta, a Amazon afirmou usar as informações de “estado proativo” como uma forma de melhorar seus produtos e fazer recomendações de compras e recursos a seus clientes. Todos, afirmou a empresa, concordam com o compartilhamento destes dados no momento em que vinculam suas contas à da plataforma. Já a Ecobee, em comunicado, disse seguir nas negociações quanto ao uso dos dados de seus dispositivos e citou a varejista como uma parceira de negócios importante.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: