Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.094,22 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,95 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,29
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.801,90
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    34.496,80
    +587,04 (+1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,15 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,82 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.099,50
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1222
    +0,0020 (+0,03%)
     

Amazon Web Services anuncia banimento da NSO, criadora do app espião Pegasus

·2 minuto de leitura

Após as denúncias da Anistia Internacional contra o app espião Pegasus, usado para violar a segurança e privacidade de jornalistas em 45 países, a Amazon decidiu tomar medidas duras contra sua criadora, a israelense NSO. A companhia divulgou nesta segunda-feira (19) que encerrou todas as contas usadas pela desenvolvedora e suspendeu os serviços de nuvem e armazenamento oferecidos a ela através do Amazon Web Services (AWS).

“Quando soubemos dessa atividade, agimos rapidamente para fechar a infraestrutura e contas relevantes”, afirmou um representante da empresa em um comunicado enviado à Motherboard. Trabalhando junto a um consórcio de mídia, a Anistia Internacional revelou que o Pegasus era usado por governos de diversos países para obter informações que incluíam mensagens de SMS e e-mails, registros de ligações telefônicas e fotos de membros da mídia e pessoas como chefes de estados e seus familiares.

Imagem: Divulgação/Citizen Lab
Imagem: Divulgação/Citizen Lab

O envolvimento da AWS surgiu a partir da análise dos dados coletados pelo aplicativo, que começaram a usar a infraestrutura do serviço em algum momento de 2021. Entre os serviços usados pela NSO estava o CloudFront, ferramenta que permite a entrega rápida e segura de novos conteúdos a consumidores.

NSO nega que tenha violado direitos humanos

No caso do Pegasus, o CloudFront era usado para distribuir malwares contra os alvos visados. Segundo o relatório da Anistia Internacional, a estrutura do AWS foi usada em pelo menos um caso, no qual o celular de um advogado francês defensor dos direitos humanos foi invadido em busca de informações sigilosas.

Além dos servidores da Amazon, a NSO também usa serviços de empresas como Digital Ocean, OVH e Linode para distribuir seus softwares espiões. A empresa israelense nega que crie programas com o intuito de violar direitos civis, e que só oferece suas soluções para o combate contra o crime organizado e grupos terroristas. Ela também afirma que não trabalha diretamente com a coleta de dados, tampouco possui acesso às informações de seus consumidores, cujos nomes devem ser mantidos em sigilo devido a obrigações contratuais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos