Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.991,21
    -314,94 (-0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Amazon promete lançar os primeiros satélites do Projeto Kuiper em 2022

·3 min de leitura

Em 2019, a Amazon revelou sua meta de criar uma constelação 3.236 satélites de internet na baixa órbita da Terra e, agora, a empresa está mais próxima de fazer seu Projeto Kuiper sair do papel. Conforme anunciado nesta segunda-feira (1º) pela empresa de Jeff Bezos, os dois primeiros protótipos do projeto estão programados para serem lançados no quarto trimestre de 2022.

O lançamento dos primeiros satélites de internet da Amazon colocaram a empresa na disputa com outros projetos similares, como o Starlink da SpaceX, que já vem lançando lotes de dezenas de unidades desde maio de 2019. Os protótipos da Amazon são cruciais para realizar os primeiros testes em órbita antes de enviar mais satélites ao espaço, estes que terão o objetivo de serem operacionais.

Concepção artística do foguete da ABL decolando para levar os satélites Kuiper à órbita baixa da Terra (Imagem: Reprodução/Amazon Project Kuiper)
Concepção artística do foguete da ABL decolando para levar os satélites Kuiper à órbita baixa da Terra (Imagem: Reprodução/Amazon Project Kuiper)

Enquanto a Amazon se prepara para enviar seus primeiros satélites, a SpaceX já lançou quase 2.000 unidades Starlink para a baixa órbita da Terra, a bordo de seu foguete Falcon 9. Atualmente, a constelação Starlink funciona em fase beta em alguns lugares do planeta, onde os clientes pagam uma taxa de US$ 99 ao mês e US$ 499 para adquirir o kit de instalação.

No ano passado, a Amazon revelou um pouco do conceito das antenas do Projeto Kuiper e, desde então, realiza testes com protótipos de satélites em solo. O vice-presidente da empresa, Rajeev Badyal, que também está à frente do projeto, disse que nos laboratórios é possível testar muitos conceitos, “mas o teste final está no espaço”, acrescentou.

Sequência de testes programados para os primeiros protótipos do Projeto Kuiper (Imagem: Reprodução/Amazon Project Kuiper)
Sequência de testes programados para os primeiros protótipos do Projeto Kuiper (Imagem: Reprodução/Amazon Project Kuiper)

Em 2020, a Federal Communications Commission (FCC) permitiu que a Amazon lançasse metade de seus 3.236 satélites até 2026. Por enquanto, a empresa de Bezos já garantiu nove lançamentos através da United Launch Alliance. Mas, segundo Baydal, a empresa também tem dialogado com os concorrentes, como a SpaceX, cujo sistema reutilizável de lançamentos se sobressai por sua rapidez, economia e eficiência.

Mas, antes disso, os primeiros protótipos — chamados KuiperSat-1 e KuiperSat-2 — serão lançados um de cada vez em foguetes da ABL Space Systems, empresa que constrói foguetes menores para atender a demandas de empresas de satélites. Uma vez que o mercado de foguetes exclusivos para pequenas cargas úteis cresce, o contrato da ABL com a Amazon chega para impulsionar o projeto. O acordo garante até cinco lançamentos a partir de Cabo Canaveral, na Flórida.

Os dois protótipos testarão pela primeira vez a conexão de internet vinda da órbita com os clientes em solo. Os testes estão previstos para regiões na América do Sul, Ásia e no centro do estado norte-americano do Texas.

Exemplo da poluição luminosa provocada pelo reflexo da constelação de satélites Starlink (Imagem: Reprodução/Victoria Girgis/Lowell Observatory)
Exemplo da poluição luminosa provocada pelo reflexo da constelação de satélites Starlink (Imagem: Reprodução/Victoria Girgis/Lowell Observatory)

Ao começar a lançar os satélites Kuiper, a Amazon precisará lidar com o problema do lixo espacial, que se torna uma ameaça cada vez maior à medida que o número de objetos em órbita segue em crescimento. Além disso, o aumento do número de satélites ao redor da Terra prejudica as observações astronômicas, uma vez que esses objetos acabam refletindo luz solar e causando interferências nos registros — como na imagem acima. Mas, de acordo com Badyal, os satélites KuiperSat terão uma espécie de guarda-sol para evitar este problema do reflexo. “Será perfeito? Não sei, vamos descobrir”, encerrou ele.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos