Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.030,83
    -44,79 (-0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Amazon pressiona legalização da maconha nos EUA

·1 minuto de leitura
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • Empresa de varejo eletrônico já gastou o equivalente a R$ 26,5 milhões em lobby;

  • Segundo a empresa, um dos motivos visados pela legalização seria as barreiras empregatícias;

  • Dados demonstram que a opinião popular sobre a Cannabis vem mudando nos EUA.

A Amazon, empresa de varejo eletrônico, já gastou US$ 5 milhões, o equivalente a R$ 26,5 milhões, em lobby para a legalização da maconha nos Estados Unidos. Em post na página oficial, a companhia afirma querer trabalhar junto ao Congresso e outros apoiadores, de forma a garantir as reformas necessárias das leis de Cannabis no país.

A empresa diz que entre os motivos da proposta estão a dificuldade de se contratar novos funcionários seguindo seu alto ritmo de expansão das atividades. Segundo a Amazon, através de informações de dados norte-americanos, o teste existente para identificar a utilização da maconha serve como barreiras empregatícias para pessoas de cor.

Leia também:

De acordo com dados informados por um jornal norte-americano, a rotatividade entre pessoas que trabalham por hora na empresa chegou a uma taxa de 150%. Dos mais de 350 mil funcionários contratados entre julho e outubro de 2020, vários se mantiveram por poucos dias.

A companhia ainda diz ser dificultoso conseguir manter um programa de teste de maconha pré-contratual igualitário, diante do crescimento do número de estados norte-americanos que autorizam algum grau de uso da erva.

De acordo com estudo da Quest Diagnostics, de 2014 a 2019, o uso de maconhas entre trabalhadores norte-americanos cresceu 16%. Em 2020, as vendas de Cannabis subiram para 46%, gerando o recorde de US$ 17,5 bilhões.

As informações são do Tecmundo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos