Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.227,25
    -397,56 (-0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Amazon pode aumentar remoção de sites em sua nuvem para coibir violência

·2 minuto de leitura

Conteúdos que violem as políticas do serviço de nuvem da Amazon serão removidos mais constantemente pela empresa. Segundo fontes da Reuters, a ideia é evitar a promoção de violência. Com isso, o debate sobre restrição da liberdade de expressão deve ganhar espaço novamente.

Para a tarefa, a empresa deve contratar profissionais para a Amazon Web Services (AWS). Eles vão desenvolver o projeto e atuar em conjunto com pesquisadores externos para monitorar ameaças futuras. Se o plano se concretizar, a Amazon pode se tornar uma das mediadoras de conteúdo mais influentes da internet.

A AWS proíbe que seus serviços sejam usados para atividades ilegais ou fraudulentas, para incitar ou ameaçar a violência ou para promover a exploração e o abuso sexual infantil. Quando identifica esse tipo de material, a Amazon primeiro pede que o cliente o remova ou que tenha um sistema para avaliá-lo. Se não conseguir chegar a um acordo aceitável, pode tirar o site do ar.

Imagem: Reprodução/Unsplash/Christian Wiediger
Imagem: Reprodução/Unsplash/Christian Wiediger

A nova equipe da AWS não deve vasculhar todo o conteúdo que as empresas hospedam na nuvem. A ideia é se antecipar a ameaças futuras, como grupos extremistas emergentes que produzam conteúdo que possa chegar à nuvem.

Ações já tomadas

Na semana passada, a companhia fechou um site hospedado no AWS que apresentava propaganda do Estado Islâmico. O endereço celebrava o atentado suicida ocorrido em Cabul na quinta-feira passada (26) que matou cerca de 170 afegãos e 13 soldados americanos.

Em janeiro, a Amazon retirou o aplicativo de mídia social Parler da AWS, logo após o tumulto no Capitólio. A plataforma permitia a exposição de conteúdo que promovia violência.

Cada vez mais, ativistas e grupos de direitos humanos responsabilizam, além de sites e aplicativos por conteúdo prejudicial, a infraestrutura de tecnologia que permite a operação desses endereços. Paralelamente, políticos conservadores condenam a ação e a classificam como restrição da liberdade de expressão.

Outro lado

A reportagem do Canaltech entrou em contato com a Amazon para obter mais detalhes dessas ações. "O AWS Trust & Safety trabalha para proteger clientes, parceiros e usuários de malfeitores que tentem usar nossos serviços para fins abusivos ou ilegais", diz comunicado oficial da empresa.

A AWS destaca, ainda, que não avalia conteúdo hospedados pelos consumidores antecipadamente. "Sempre que tomamos conhecimento de comportamentos abusivos ou ilegais nos serviços AWS services, agimos rapidamente para investigar e informar os consumidores para que tomem as ações apropriadas. Conforme a AWS continua a se expandir, essa equipe deve continuar a crescer", finaliza o documento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos