Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,61
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.783,00
    +4,60 (+0,26%)
     
  • BTC-USD

    55.188,55
    +735,57 (+1,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.263,43
    +29,01 (+2,35%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.859,87
    -140,21 (-2,00%)
     
  • HANG SENG

    28.655,69
    -480,04 (-1,65%)
     
  • NIKKEI

    28.465,38
    -635,00 (-2,18%)
     
  • NASDAQ

    13.736,25
    -58,00 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6867
    -0,0158 (-0,24%)
     

Amazon pede desculpas após negar que entregadores urinam em garrafas

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após negar que funcionários responsáveis por suas entregas urinavam em garrafas de plástico durante o serviço, a Amazon se desculpou e disse que suas declarações anteriores não consideravam todo o grupo de profissionais da empresa. Segundo a gigante do ecommerce, a resposta anterior focou incorretamente nos profissionais que trabalham em centros de distribuição, que contam com dúzias de banheiros e podem usá-los a qualquer momento. A companhia diz agora que motoristas podem ter dificuldade de encontrar sanitários por causa do trânsito ou das áreas rurais. A situação se agravou com a pandemia, quando muitos banheiros públicos foram fechados, disse a empresa. A Amazon disse também que o problema atinge todo o setor e prometeu procurar soluções. A controvérsia começou no fim de março, quando o deputado democrata Mark Pocan publicou um tuíte em referência à Amazon, dizendo que pagar um salário de US$ 15 por hora não faz a empresa ser progressista, se ela dificulta a sindicalização dos funcionários e os obriga a urinar em garrafas d'água. Em resposta, a Amazon ironizou perguntando se o deputado acreditava mesmo na história do xixi nas garrafas. Afirmou que, se isso fosse verdade, ninguém iria querer trabalhar para a empresa. A companhia chamou seu tuíte anterior de gol contra e pediu desculpas a Pocan. As atenções estão voltadas para as relações de trabalho na Amazon em meio a uma contagem de votos que pode confirmar a criação do primeiro sindicato de funcionários da empresa nos Estados Unidos, no estado do Alabama.