Mercado abrirá em 4 h 33 min

Amazon pagará US$62 mi para encerrar acusações de que ficou com gorjetas de motoristas

·2 minuto de leitura

WASHINGTON (Reuters) - A Amazon.com fechou acordo para pagar mais de 61,7 milhões de dólares e encerrar investigação sobre acusações de que ficou com gorjetas de motoristas da Amazon Flex por mais de dois anos, disse a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC) nesta terça-feira.

O dinheiro pago à FTC será usado para compensar os motoristas, disse a agência.

A FTC disse que a Amazon em 2015 anunciou que um programa chamado Flex pagaria aos motoristas 18 a 25 dólares por hora para fazerem as entregas e que eles receberiam 100% de todas as gorjetas. Os motoristas flex são tratados como fornecedores terceirizados e usam seus próprios veículos para fazerem entregas para a Amazon.

Mas, no final de 2016, a Amazon "reduziu secretamente sua própria contribuição para o pagamento dos motoristas", de acordo com a reclamação apurada pela FTC. "A Amazon usou as gorjetas dos clientes para compensar a diferença entre a nova tarifa horária mais baixa e a tarifa prometida", disse a FTC.

A agência disse que a Amazon abandonou o polêmico modelo de pagamento em agosto de 2019, depois que o órgão abriu uma investigação e começou a detalhar para os motoristas seus ganhos e gorjetas.

A Amazon disse que discorda da alegação de que a forma como informa o pagamento aos motoristas não é clara. "Adicionamos clareza adicional em 2019 e estamos satisfeitos por deixar esse assunto para trás", disse uma porta-voz da Amazon.

A FTC disse que a Amazon também enganou os clientes, dizendo-lhes que os motoristas recebiam 100% de qualquer gorjeta.

"No total, a Amazon roubou quase um terço das gorjetas dos motoristas para aumentar seus próprios resultados", disse o comissário Rohit Chopra, democrata, em um comunicado.

Ele pediu para a FTC examinar se os trabalhadores precisam ser protegidos de "outros intermediários dominantes".

(Por Diane Bartz)