Mercado abrirá em 2 h 38 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,77
    +0,72 (+1,11%)
     
  • OURO

    1.700,90
    +22,90 (+1,36%)
     
  • BTC-USD

    54.223,07
    +4.477,43 (+9,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.094,97
    +70,76 (+6,91%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.758,01
    +38,88 (+0,58%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.551,50
    +254,25 (+2,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Amazon paga US$ 61,7 milhões a motoristas por não repassar gorjetas

·2 minuto de leitura
Os motoristas do Amazon Flex registraram reclamações sobre uma mudança não relatada na política da empresa que reteve suas gorjetas

A Amazon concordou com as autoridades dos Estados Unidos em pagar 61,7 milhões de dólares por não repassar gorjetas a entregadores independentes durante dois anos e meio.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos (FTC, na sigla em inglês) informou nesta terça-feira(2) que o acordo resolve a reclamação contra a Amazon por não repassar o total das gorjetas aos motoristas de seu programa Amazon Flex.

Leia também:

"Em vez de repassar 100% das gorjetas dos clientes aos motoristas, como prometido, a Amazon tomou o dinheiro para si", disse Daniel Kaufman, diretor interino do Escritório de Proteção ao Consumidor da FTC.

“Nossa ação hoje retorna aos motoristas dezenas de milhões de dólares em gorjetas que a Amazon se apropriou indevidamente e exige que a Amazon obtenha permissão dos motoristas antes de alterar as condições das gorjetas no futuro”, disse ele.

O acordo proíbe a Amazon de fazer interpretações dos ganhos dos motoristas em seu detrimento, pagamento ou porcentagem da gorjeta, ou mudar a gestão dessas gorjetas sem seu consentimento, disse a FTC.

A Amazon é uma das várias empresas de comércio eletrônico acusadas de fraude de gorjetas.

De acordo com a reclamação administrativa apresentada à FTC, a empresa regularmente anunciava que pagaria 18 a 25 dólares por hora junto com "100% das gorjetas" aos motoristas participantes do programa Flex.

No final de 2016, alegou a FTC, a Amazon baixou a tarifa por hora para os clientes e usou gorjetas para compensar a diferença. Isso resultou em centenas de reclamações de motoristas, segundo a agência.

A empresa voltou à política anterior em agosto de 2019, depois que a FTC iniciou sua investigação, de acordo com a denúncia.

Um porta-voz da Amazon disse em resposta a um inquérito da AFP: "Embora não concordemos que a forma como historicamente relatamos o pagamento aos motoristas não foi clara, adicionamos esclarecimentos adicionais em 2019 e temos o prazer de deixar este assunto para trás."

A empresa disse que seus motoristas "desempenham um papel importante no atendimento aos clientes todos os dias, ganhando entre os melhores do setor, com mais de 25 dólares por hora em média".

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube