Mercado abrirá em 2 h 20 min
  • BOVESPA

    110.235,76
    +1.584,71 (+1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.808,21
    +566,41 (+1,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    92,65
    +0,72 (+0,78%)
     
  • OURO

    1.806,10
    -7,60 (-0,42%)
     
  • BTC-USD

    24.482,31
    +1.448,98 (+6,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    576,23
    +45,01 (+8,47%)
     
  • S&P500

    4.210,24
    +87,77 (+2,13%)
     
  • DOW JONES

    33.309,51
    +535,11 (+1,63%)
     
  • FTSE

    7.485,71
    -21,40 (-0,29%)
     
  • HANG SENG

    20.082,43
    +471,59 (+2,40%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.411,75
    +19,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2615
    +0,0151 (+0,29%)
     

Amazon inaugura ação em favela e fala em entregas aos domingos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Maior empresa de e-commerce do mundo, a Amazon inaugurou em Paraisópolis sua operação de entregas em favelas do Brasil.

Em parceira com a Favela Llog, startup da Holding de Favelas em conjunto com a Luft Logistics, a Amazon diz iniciar em São Paulo uma ação disruptiva, que se diferenciará por realizar entregas inclusive em domingos e feriados.

"A ideia é que o mercado se contamine com essa operação, que ela seja exemplo, já que ela beneficia os compradores e tem grande impacto social na comunidade, pois 100% dos entregadores moram no local", diz Rafael Caldas, 40, líder da Amazon Logistics no Brasil.

Segundo ele, a chegada da Amazon às favelas é fruto do amadurecimento do e-commerce no país ocorrido na pandemia. "Em Paraisópolis, iremos aprender ao máximo, superar os problemas de enderaçamento, que são a maior dificuldade em comunidades."

Um dos destaques é parte da equipe ser originária do projeto Redenção, da Cufa (Central Única das Favelas), que garante emprego a egressos do sistema carcerário no país.

Um exemplo é Francildo Phênnes Alves de Souza, 35, coordenador do QG da Favela Llog em Paraisópolis.

Após ser preso em 2008 por assalto à mão armada, Phênnes diz que hoje tem o emprego que sempre desejou.

"Essa oportunidade, de trabalhar perto de casa, de ter um salário digno e de poder estar próximo da família, é tudo o que jovens da favela, como eu era, desejam. É surreal", diz ele, que já trabalhou como motorista de perua escolar e usou o veículo para entregar alimentos na pandemia.

Além de resignificar sua presença na favela e perante os filhos, ele diz que a chegada da Amazon a Paraisópolis é um marco na favela. "Essa multinacional acredita em nós e no potencial da favela. E eu digo a todos: 'Acredite: sempre há chance de recomeço'", diz.

Quem também está na operação da Favela Llog é Thales Athayde, 26, filho de Celso Athayde, escolhido o Empreendodor Social do Ano em 2021 pela Fundação Schwab e CEO da Favela Holding. "Aqui em Paraisópolis devemos entregar até 2.000 pacotes por dia. A Cufa está há 15 anos aqui em Paraisópolis, e a Favela Vai Voando [empresa de turismo da holding], há 10. Não atuamos em combinação com crime, e o objetivo é fomentar o empreendedorismo local e a geração de renda", afirma Thales.

Segundo ele, deixar o Rio, onde vivem os dois irmãos, e vir para São Paulo foi para se desafiar a fazer dar certo iniciativas como a Favela Llog, em joint venture cujo lucro é dividido com a Luft Logistics.

Fundada em 2015, a Favela Llog respondia por 12% da holding, o que deve crescer agora após a parceira com a Amazon. A expertise de logística da empresa foi consolidada ao fazer chegar as doações na pandemia e por já estar presente em 100 favelas e 10 bairros do Rio de Janeiro, onde já realiza entregas da Natura e da P&G.

Agora o plano que se inicia com Paraisópolis, Heliópolis e Capão Redondo, em São Paulo, tem previsão de estar em 300 favelas até o final do ano.

De acordo com Celso Athayde, 16 outras empresas estão em tratativas para fazer parte da operação. "A Favela Llog não era muito expressiva, porque é uma startup que dependia de plano de expansão sólido. Mas agora deverá representar uma outra realidade e teremos essa posição em breve, assim que as 16 empresas entrarem para o projeto."

E, diz Celso, não há pressão para expansão rápida. "Temos compromisso com uma gestão que seja referência para a abertura de novo sólido mercado que iniciamos e queremos incentivar."

Se esse novo modelo se consolida em Paraisópolis, até o final do ano deve se espalhar pelo Brasil em ações da Favela Brasil Xpress, liderada por Gilson Rodrigues e Givanildo Pereira, e com a naPorta, liderada por Edu Lyra, da Gerando Falcões, que pretende estar em 24 comunidades.

São as favelas, que abrigam 17 milhões de pessoas com poder de compra da R$ 120 bilhões por ano, de vez no mapa do ecommerce no Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos