Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.496,21
    -2.316,66 (-2,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.463,26
    -266,54 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,91
    -0,59 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.760,30
    -10,90 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    21.041,43
    -2.333,23 (-9,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    504,88
    -36,72 (-6,78%)
     
  • S&P500

    4.228,48
    -55,26 (-1,29%)
     
  • DOW JONES

    33.706,74
    -292,30 (-0,86%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.250,00
    -273,25 (-2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1885
    -0,0253 (-0,49%)
     

Amazon: funcionários querem que empresa pare de financiar políticos antiaborto

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Amazon: centenas de trabalhadores entregaram uma petição com diversas medidas a serem tomadas pela empresa
Amazon: centenas de trabalhadores entregaram uma petição com diversas medidas a serem tomadas pela empresa
  • Centenas de funcionários assinaram uma petição online para que empresa se posicione;

  • Empresa pediu que funcionários respeitem a diversidade de opiniões.

  • Trabalhadores querem que produtos com temática antiabortiva sejam retirados da loja online da Amazon;

Centenas de funcionários da Amazon assinaram uma petição interna nesta segunda-feira pedindo à empresa para tomar uma "ação imediata contra a ameaça aos nossos direitos humanos básicos com a derrubada de Roe v. Wade". Ao todo, mais de trezentas assinaturas constam na petição, que foi passada por e-mail pelos escritórios da empresa.

No mês passado, quando primeiro vazaram informações de que a Suprema Corte americana estava se preparando para reverter a decisão judicial, a Amazon anunciou que iria reembolsar custos de viagem de até US$ 4 mil para funcionários que tivessem de viajar para realizar procedimentos médicos de saúde reprodutiva.

Para os funcionários, no entanto, a medida tomada pela empresa não é suficiente, pedindo que a empresa denuncia publicamente a decisão da corte, ajude a organizar protestos, e que some aos projetos de doações que os funcionários estão fazendo para ajudar mulheres presas por realizar abortos.

A petição também pede que a empresa retire mercadorias com temática antiabortiva da loja online, expanda as opções de trabalho remoto para que funcionárias possam se mudar para estados que ainda mantém leis que permitem o acesso ao aborto, e que a empresa anuncie uma suspensão das atividades em estados que proibirem a prática.

Por fim, os trabalhadores da Amazon também querem que a empresa pare de realizar doações a grupos e políticos contrários ao direito de abortar uma gravidez. Dados do boletim Popular Information revelaram que desde 2016 a empresa doou US$ 974.718, quase R$ 5 milhões, para comitês de políticos antiabortiva, como os Procuradores-Gerais Republicanos e o Comitê de Liderança do Estado Republicano.

A chefe de recursos humanos da empresa, Beth Galetti, pediu na sexta-feira aos funcionários que "respeitem a perspectiva de todos". “Muitos funcionários estão experimentando fortes emoções após a recente decisão da Suprema Corte dos EUA”, escreveu Galetti na sexta-feira. “Como uma empresa com 1,6 milhão de funcionários, há muitos pontos de vista diferentes sobre esse tópico em nossa equipe, e trabalhamos para respeitar as perspectivas de todos, além de cuidar e apoiar as necessidades médicas pessoais de nossos funcionários”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos