Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,50
    +0,14 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.784,00
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    50.379,13
    -376,53 (-0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.318,03
    +12,91 (+0,99%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.845,99
    -14,63 (-0,05%)
     
  • NASDAQ

    16.381,75
    -10,50 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2769
    +0,0028 (+0,04%)
     

Amazon: funcionários em 20 países farão greve na Black Friday

·2 min de leitura
A “Make Amazon Pay” é liderada por uma coalização de 70 sindicatos e organizações. Foto: Getty Images.
A “Make Amazon Pay” é liderada por uma coalização de 70 sindicatos e organizações. Foto: Getty Images.
  • Funcionários da Amazon em 20 países planejam entrar em greve na Black Friday;

  • O evento acontecerá na próxima sexta-feira (26), e terá trabalhadores de diversos setores;

  • Os protestos vêm em meio à crescente dissidência de funcionários diante de condições abusivas, longas horas e baixos salários.

Funcionários da Amazon de todo o mundo estão se preparando para aderir à greve durante a Black Friday, na próxima sexta-feira (26). O esforço tem como objetivo gerar melhores condições de trabalho e exigir responsabilidade dos principais executivos da empresa.

Em mais de 20 países, trabalhadores e ativistas devem protestar intermediados pela campanha 'Make Amazon Pay' ('Faça a Amazon pagar', em tradução), liderada por uma coalização de 70 sindicatos e organizações, como o Greenpeace, a Oxfam e a Amazon Workers International.

Leia também:

O evento contará com indivíduos de todos os setores, como refinarias de petróleo e fábricas, a depósitos e centro de dados.

Os protestos vem em meio à crescente dissidência de funcionários da companhia, diante de condições abusivas de trabalho, como longas horas e baixos salários e nos complexos sistemas de avaliação de desempenho.

Entre as demandas da ‘Make Amazon Pay” estão o aumento de salários, melhor segurança do trabalho e suspensão dos duros regimes de produtividade e vigilância impostos pela companhia, de forma a tirar o máximo dos funcionários.

O grupo também almeja um retorno financeiro à sociedade, incluindo maiores esforços em sustentabilidade, mais transparência de dados e privacidade, assim como também o fim das parcerias com forças policiais e autoridade de imigração que seriam institucionalmente racistas.

O crescimento do ‘Make Amazon Pay” também segue o caminho para a sindicalização por toda a empresa. No inicio do ano, a companhia se envolveu em polêmica após que surgirem relatórios nos quais a Amazon participaria de táticas de combate aos sindicatos.

Outra acusação tem relação à sonegação de impostos da empresa. Segundo relatório do ProPublica divulgado em junho, Jeff Bezos, fundador da companhia, não pagou imposto de renda entre 2006 e 2018.

Um vídeo no site da ‘Make Amazon Pay’ afirma que a riqueza da Amazon cresceu em grandes proporções na pandemia, o que permitiria pagar a todos os 1,3 milhão de funcionários um 'Bônus COVID' de US$ 690 mil, e continuar com a mesma fortuna de 2020.

As informações são da Business Insider.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos