Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.707,25
    +636,23 (+1,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Amazon fez parceria com propaganda estatal chinesa

·2 min de leitura
Copies of the book
Cópias do livro "Xi Jinping: a governança da China", em uma feira em Hong Kong, Livro teve comentários proibidos na Amazon chinesa. REUTERS/Tyrone Siu
  • Parceria de Amazon e governo chinês gerou iniciativas da empresa americana;

  • Amazon bloqueou comentários de clientes após crítica negativa a livro de Xi Jinping;

  • Empresa norte-americana cedeu ao governo chinês para crescer no país asiático;

A Amazon.com estava divulgando uma coleção de discursos e escritos do presidente Xi Jinping em seu site chinês há cerca de dois anos, quando Pequim emitiu um decreto, segundo fontes ouvidas pela agência Reuters. Este decreto pediu que gigante americana do comércio eletrônico devesse parar de permitir quaisquer classificações e comentários de clientes na China.

De acordo com fontes ouvidas pela agência, uma crítica negativa do livro de Xi gerou o pedido. As classificações e resenhas são uma parte crucial do negócio de comércio eletrônico, uma forma importante de envolver os compradores. Mas, atualmente, em seu site chinês Amazon.cn, o livro publicado pelo governo não tem resenhas de clientes ou classificações. E a seção de comentários para o livro neste momento segue desabilitada.

Amazon aceitou questões do governo chinês para crescer no país

De acordo com a agência Reuters, a conformidade da Amazon com o decreto do governo chinês, em fato anteriormente não relatado, é parte de um esforço mais profundo de uma década da empresa norte-americana para estabelecer boas relações com Pequim para proteger e expandir seus negócios em um dos maiores mercados do mundo. 

Um documento informativo interno da Amazon de 2018 obtido pela Reuters, que descrevia os negócios da empresa na China apresenta uma série de "questões centrais" que a gigante sediada em Seattle enfrentou no país. Entre eles: “O controle ideológico e a propaganda são o núcleo do kit de ferramentas para que o partido comunista alcance e mantenha seu sucesso”, observa o documento. "Não estamos julgando se isso é certo ou errado."

Em um elemento central dessa estratégia, o documento interno e as entrevistas mostram, a Amazon fez parceria com um braço do aparato de propaganda da China para criar um portal de vendas no site da empresa nos Estados Unidos, um projeto que ficou conhecido como China Books. O empreendimento, que acabou oferecendo mais de 90 mil publicações para venda, não gerou receita significativa. Mas o documento mostra que foi visto pela Amazon como crucial para ganhar suporte na China, à medida que a empresa expandia seu dispositivo de livro eletrônico Kindle, computação em nuvem e negócios de comércio eletrônico.

Esse documento informativo e entrevistas com mais de duas dúzias de pessoas que estiveram envolvidas na operação da Amazon na China, revelam como a empresa sobreviveu e prosperou na China ajudando a promover a agenda política e econômica global do Partido Comunista, enquanto às vezes rechaçava em algumas demandas do governo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos