Mercado abrirá em 2 h 49 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,95
    +0,57 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.768,60
    -2,00 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    55.186,59
    -1.645,71 (-2,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.245,22
    -53,74 (-4,14%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.942,58
    -57,50 (-0,82%)
     
  • HANG SENG

    29.135,73
    +29,58 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.100,38
    -584,99 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.845,75
    -51,50 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6850
    +0,0093 (+0,14%)
     

Amazon expande seu serviço de telemedicina em todo os EUA e para outras empresas

Rui Maciel
·5 minuto de leitura

A Amazon anunciou nesta quarta-feira que está expandindo seu serviço de telemedicina - conhecido como Amazon Care - para 100% de seus funcionários em todos os EUA. Além disso, a gigante do e-commerce planeja expandir a plataforma também para outras empresas.

O Amazon Care foi lançado como um programa piloto há dois anos e projetado para fornecer atendimento remoto para funcionários da Amazon em casos de emergência. Inicialmente, ele foi utilizado apenas no estado de Washington, no noroeste Pacífico dos EUA - e onde está localizada a sede da gigante do e-commerce. Entre os serviços oferecidos, estão consultas virtuais gratuitas e visitas domiciliares feitas por enfermeiras para testes e vacinas. A partir daí, a plataforma foi se expandindo para um nível acima de atendimento primário.

“A Amazon Benefits (serviço de benefícios voltado aos funcionários da Amazon) tem sido o cliente corporativo que atendemos até agora", disse Kristen Helton, diretora da Amazon Care ao canal CNBC. "Agora, olhando para outras empresas, estamos entendendo suas necessidades e achamos que muitas delas são semelhantes [aquelas que já atendemos]”.

Evolução

A oferta do Amazon Care a todos os funcionários da Amazon nos EUA, bem como a outras empresas, será feita ainda esse ano, mas contemplando apenas a oferta do atendimento virtual. Os serviços presenciais adicionais continuam apenas no estado de Washington e também na segunda sede da gigante do e-commerce, localizada na área metropolitana de Washington DC.

A mudança ocorre dois meses depois que a Amazon anunciou o encerramento da Haven, sua joint venture com a Berkshire Hathaway e o JPMorgan. A companhia funcionava como uma incubadora para melhorar os programas de saúde dos empregadores e durou três anos.

Nesse meio tempo, a Amazon desenvolveu e lançou sua própria farmácia online, ação que ocorreu depois da empresa comprar a PillPack em 2018. No ano passado, a companhia criou uma parceria com o provedor de saúde Crossover Health para lançar clínicas de saúde presenciais para seus funcionários. Agora, a iniciativa atende trabalhadores da Amazon em 17 locais nos estados do Texas, Arizona, Kentucky, Califórnia e Michigan.

Amazon Care: serviço de telemedicina da Amazon será oferecido em todos os EUA, incluindo para outras empresas (Imagem: Divulgação / Amazon)
Amazon Care: serviço de telemedicina da Amazon será oferecido em todos os EUA, incluindo para outras empresas (Imagem: Divulgação / Amazon)


A farmácia, as clínicas dos funcionários e a Amazon Care são administradas como iniciativas independentes de assistência à saúde na Amazon. “Desenvolvemos a capacidade de tratar doenças crônicas", afirmou Helton. "Você pode consultar o mesmo provedor e ter uma equipe de atendimento, para que esse grupo de médicos realmente te conheça e eu diria que também estamos aprendendo no lado clínico, para darmos aos médicos as ferramentas para fornecer um atendimento excelente ”.

Telemedicina ganha força nos EUA

Com a evolução de seus serviços médicos apontando um desenvolvimento satisfatório, a Amazon já planeja como ganhar dinheiro com eles. Para isso, ela está mirando oferecer seu programa também para outras empresas. E isso ocorra logo após um aumento expressivo do atendimento por meio da telemedicina gerado pela pandemia de Covid-19.

“O que estamos ouvindo dos empregadores é que eles estão procurando plataformas que possam fornecer um conjunto de serviços”, explicou o analista Charles Rhyee, diretor administrativo do banco de investimentos Cowen & Co. Ele acrescentan ainda que a maior parte da telemedicina tem se concentrado no atendimento de urgência, “[A telemedicina] não está realmente conectado aos cuidados gerais de saúde. Logo, a atenção primária virtual é a próxima etapa.”

A previsão de Rhyee vai de encontro com a movimentação das empresas de telemedicina nos EUA de 2020 para cá. Em outubro, a Teladoc pagou US$ 18 bilhões para adquirir a Livongo, empresa de gerenciamento de diabetes. Já em fevereiro, a Evernorth, uma das divisões da multinacional de serviços de saúde Cigna, anunciou que comprará a plataforma de atendimento virtual MDLive por um valor não revelado. E esta semana, o provedor de telemedicina Dr. on Demand anunciou que está se fundindo com a Grand Rounds , que fornece serviços de navegação para cuidados de saúde.

Todos os três negócios se concentraram em fornecer serviços de saúde digital mais integrados aos empregadores, à medida que as grandes empresas buscam, cada vez mais, tornar os serviços médicos e de saúde mental mais acessíveis virtualmente, além do presencial.

Fusão entre Teladoc e Livongo: empresas de saúde nos EUA investem forte em telemedicina (Imagem: Livongo)
Fusão entre Teladoc e Livongo: empresas de saúde nos EUA investem forte em telemedicina (Imagem: Livongo)


“Acho que o que aprendemos é que, provavelmente, teremos um modelo híbrido", disse o Dr. Bob Kocher, sócio da Venrock, empresa de capital de risco e que atua como observador do conselho no Dr. on Demand e na Grand Rounds. Às vezes vamos ao consultório médico, quando precisamos de um procedimento, quando precisamos de imagens e quando não temos certeza do que está acontecendo conosco. Em outros casos, esses consultas poderão ser feitas virtualmente", completa.

As seguradoras de saúde também estão entrando na expansão da telemedicina. A CVS Health está conduzindo um programa piloto de atendimento primário virtual com uma grande empresa. Para isso, ela está usando o seu serviço proprietário, o Minute Clinic; já a UnitedHealthcare, divisão da gigante UnitedHealth Group, lançou seu próprio serviço de atenção primária virtual para atender a outras empresas em janeiro deste ano.

Com tudo isso, a Amazon tem planos para ser o novo - e poderoso- player no mercado de telemedicina para outras empresas. E ela terá que acelerar, já que o atendimento primário virtual também é um negócio em desenvolvimento para seus concorrentes mais estabelecidos - e com mais experiência na área - o que pode tornar o jogo bastante competitivo.

“A área de saúde é um espaço incrivelmente grande e há muitas oportunidades. Vemos que há espaço para mais de um vencedor no espaço ”, disse Kristen Helton, da Amazon Care.

Leia também:

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: