Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    57.623,19
    -4.460,23 (-7,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Amazon expande rede de supermercados nos EUA durante pandemia

Matt Day
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Enquanto muitas empresas tentavam sobreviver à pandemia, a Amazon.com silenciosamente aumentava sua rede de supermercados nos Estados Unidos.

A primeira loja da Amazon Fresh foi aberta ao público em Los Angeles em setembro. A loja nº 11 foi inaugurada na quinta-feira, e a Amazon trabalha em pelo menos outras 28, de Filadélfia a Sacramento. A empresa também testa a tecnologia de compras sem caixa “Just Walk Out” criada para suas lojas de conveniência Go em uma unidade da Amazon Fresh em Illinois.

Mais de uma década depois de começar a vender alimentos, a Amazon detém uma pequena fatia do mercado de mantimentos de US$ 900 bilhões nos Estados Unidos e tem observado redes tradicionais que finalmente começam a descobrir como vender alimentos online. A Amazon Fresh, dizem especialistas do setor, é uma maneira de a empresa fidelizar ainda mais os clientes Prime, bem como atrair uma amplo mercado nos EUA - de consumidores de baixa renda que frequentam redes mais baratas como o Walmart a clientes mais ricos que preferem retirar pedidos online.

Com uma estratégia que especialistas do setor viram como um sinal de suas ambições, no ano passado a Amazon fechou acordo com uma grande distribuidora de alimentos, a SpartanNash, que incluía o direito de adquirir uma participação na empresa.

Um porta-voz da Amazon confirmou a localização de cinco futuras lojas, mas não quis comentar sobre as outras unidades identificadas pela Bloomberg em documentos de planejamento e autorização, listas de licenciamento estaduais e artigos na mídia.

“Como com tudo na Amazon, inovamos em nome de nossos clientes em nossos negócios de supermercados”, disse Jeff Helbling, vice-presidente da Amazon Fresh, em comunicado enviado por e-mail. “Sabemos que os clientes se preocupam com preços baixos, conveniência e ótima seleção de mercearia, e acreditamos que oferecemos isso, bem como uma experiência de compra online dentro da loja perfeita.”

Os preços, pelo menos até agora, são baixos. Uma cesta de 30 itens de mantimentos comumente comprados em uma das lojas da região de Chicago da Amazon no mês passado era até 20% mais barata do que na Jewel-Osco, rede de supermercados da Albertsons, com a inclusão de itens em promoção, e é competitiva com Aldi e Walmart.

Analistas de alimentos dizem que as lojas da Amazon Fresh são provavelmente baratas para lançar e ainda mais baratas para operar - a arma perfeita para fazer uma aposta de longo prazo em um setor famoso por baixas margens.

“Para que tivessem chance de aumentar sua participação no mercado de alimentos” tinha que cobrir clientes preocupados com preço, diz David Bishop, sócio da Brick Meets Click, consultoria de supermercados que conduziu a análise de preços para a Bloomberg. “A loja tende a ser mais funcional, em vez de inspiradora.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.