Mercado fechará em 1 h 50 min
  • BOVESPA

    130.076,65
    -131,31 (-0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.865,74
    -163,80 (-0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,05
    +1,17 (+1,65%)
     
  • OURO

    1.858,00
    -7,90 (-0,42%)
     
  • BTC-USD

    41.109,08
    +1.011,93 (+2,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.022,04
    +11,43 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.251,83
    -3,32 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    34.341,81
    -51,94 (-0,15%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.048,25
    -76,50 (-0,54%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1333
    +0,0018 (+0,03%)
     

Amazon entra na mira da justiça americana e é processada por práticas anticompetitivas

·1 minuto de leitura
Amazon entra na mira da justiça americana e é processada por práticas anticompetitivas
Amazon entra na mira da justiça americana e é processada por práticas anticompetitivas

A gigante Amazon, de Jeff Bezos, novamente entrou na mira da justiça americana. Nesta terça-feira (25), o procurador-geral de Washington, Karl Racine, abriu um novo processo contra a varejista por práticas anticompetitivas.

De acordo com a acusação, a gigante usufruiu de práticas para sufocar competidores e controlar os preços de mercadorias online. Isso porque a Amazon teria utilizado cláusulas contratuais para impedir que comerciantes terceirizados vendessem produtos com preços menores em outros sites.

A empresa de Jeff Bezos possui um sistema de marketplace em que lojistas podem anunciar produtos em seu site. O modelo é bem similar aos negócios de Mercado Livre e AliExpress, por exemplo. Em troca da visibilidade dos produtos, a Amazon cobra uma comissão.

O problema é que termos contratuais fizeram com que os valores de produtos na Amazon sempre fossem mais baixos do que mercadorias dos mesmos vendedores anunciadas em outras plataformas de comércio eletrônico. Caso a política não fosse seguida, os comerciantes poderiam ser sancionados ou excluídos da plataforma da Amazon.

A prática se estendeu até meados de 2019, quando a empresa removeu a cláusula em meio a investigações antitruste. No entanto, o procurador-geral da capital americana identificou que a Amazon adotou uma cláusula praticamente idêntica sobre “política de preços justos”.

Texto em desenvolvimento…

Fonte: G1

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!