Mercado fechará em 2 h 26 min
  • BOVESPA

    124.252,25
    +2.451,46 (+2,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.091,49
    +223,17 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,23
    -2,72 (-3,68%)
     
  • OURO

    1.822,70
    +5,50 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    39.804,61
    -1.208,21 (-2,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    973,04
    +12,14 (+1,26%)
     
  • S&P500

    4.400,82
    +5,56 (+0,13%)
     
  • DOW JONES

    34.960,91
    +25,44 (+0,07%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.011,75
    +56,00 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0789
    -0,1091 (-1,76%)
     

Amazon contrata funcionários do Facebook para o Projeto Kuiper de internet

·2 minuto de leitura

A Amazon é uma das participantes da atual corrida de constelações de satélites de internet e, para isso, a empresa vem trabalhando no Projeto Kuiper, uma constelação que irá fornecer internet para usuários em todo o mundo. Agora, a Amazon já conta com uma nova equipe para ajudar a avançar o projeto. Em abril, eles contrataram mais de uma dúzia de profissionais do Facebook, especializados em internet via satélite na órbita baixa da Terra. Um representante da empresa fundada por Mark Zuckerberg confirmou a mudança dos funcionários.

Segundo informações vistas no LinkedIn, a nova equipe conta com físicos e engenheiros de hardware e software, com experiência em trabalhar com sistemas aeronáuticos e sem fios. Além disso, o Facebook afirmou que a aquisição de talentos incluiu também propriedades intelectuais desenvolvidas por eles, junto de equipamentos e instalações. Agora, estes profissionais se juntam aos outros 500 que já faziam parte da equipe da Amazon no mês de abril.

O foguete Atlas V, que será usado nos lançamentos dos satélites da Amazon (Imagem: Reprodução/ULA/Amazon)
O foguete Atlas V, que será usado nos lançamentos dos satélites da Amazon (Imagem: Reprodução/ULA/Amazon)

A empresa de Zuckerberg vinha trabalhando desde 2016 em uma constelação de internet via satélite, que iria oferecer o serviço a regiões com pouca ou nenhuma conectividade. O projeto foi confirmado em 2018, mas houve diversos problemas em seu desenvolvimento; já no ano passado, foi revelada uma documentação preenchida no fim de 2019, que sugeria que, mesmo com os obstáculos, o Facebook ainda estava empenhado no projeto — mas, por outro lado, a aquisição da Amazon sinaliza agora um fim a esta iniciativa.

Em paralelo, a Amazon já planeja sua constelação de satélites desde 2019, quando revelou que planejava lançar mais de 3 mil satélites para a órbita baixa da Terra até o fim desta década para fornecer conectividade a moradores de regiões sem internet ou que sejam mal atendidos pelo serviço que possuem. A expectativa é lançar metade dos satélites necessários até 2026, e a empresa já tem autorização da Federal Communications Commission, entidade reguladora de telecomunicações nos Estados Unidos, para operar a rede, e também revelou o design das antenas que seus clientes terão que usar para terem acesso à conexão.

Mesmo com estes avanços, ainda falta algum tempo para o serviço chegar ao público, já que a Amazon ainda não lançou nenhum satélite de sua constelação — foram fechados nove lançamentos operados pela United Launch Alliance, mas sem datas definidas. Além disso, vale destacar que há concorrentes avançando cada vez mais nesta corrida: a megaconstelação de satélites Starlink, da SpaceX, já tem mais de 1.700 unidades em órbita e funciona para usuários em algumas regiões; enquanto a OneWeb tem mais de 200 satélites lançados, quantidade suficiente para começar a oferecer os serviços de internet.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos