Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.033,54
    +112,23 (+0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Amazon confirma demissões em momento de crise econômica

A Amazon confirmou na quinta-feira que começou a demitir funcionários para enfrentar a crise econômica, depois de vários dias de boatos sobre um plano de demissões na gigante do comércio virtual.

"A economia continua em uma situação complicada e contratamos rapidamente nos últimos anos", destacou Andy Jassy, CEO do grupo americano, em um comunicado interno.

Vários jornais americanos informam que a plataforma e suas diversas filiais demitirão quase 10.000 funcionários.

Jassy não confirmou o número, mas disse que o processo começou na quarta-feira e prosseguirá até o início do próximo ano.

"Haverá mais cortes de empregos à medida que os diretores determinarem ajustes. As decisões serão comunicadas aos funcionários e organizações afetados no início de 2023", detalhou o CEO.

Uma redução de 10.000 funcionários representaria pouco menos de 1% da força de trabalho atual do grupo, que tinha 1,54 milhão de trabalhadores no mundo no final de setembro, sem contar os temporários, contratados quando a atividade aumenta, por exemplo, para o período de festas de fim de ano.

A empresa já havia anunciado, há duas semanas, o congelamento de novas contratações. O número de funcionários já registrou queda desde o início do ano, quando a Amazon empregava 1,62 milhão de pessoas.

A Amazon contratou em larga escala durante a pandemia para responder à explosão da demanda e dobrou o número de funcionários entre o início de 2020 e o começo de 2022.

Muitas empresas de tecnologia que contrataram muito durante a pandemia anunciaram cortes recentemente, incluindo Meta (Facebook, Instagram, WhatsApp), Twitter, Stripe e Lyft.

juj/dax/atm/mas/fp