Mercado abrirá em 9 h 17 min

Amazon bane homem que tentou vender 17 mil garrafas de álcool em gel na internet

Alberto Rocha

Os desdobramentos do novo coronavírus pelo mundo já renderam algumas histórias fora do comum, mas por essa ninguém esperava. O vendedor Matt Colvin, que tem na garagem de casa mais de 17 mil garrafas de álcool em gel estocadas, foi impedido de comercializá-las online pelo maior e-commerce do mundo.

Essa curiosa história tem origem no Texas, nos Estados Unidos, e começou no início do mês, quando Matt e seu irmão, Noah, resolveram percorrer os estados norte-americanos do Tennessee e Kentucky, no intuito de adquirir milhares de garrafas de álcool gel para, posteriormente, revender em sites como o da Amazon, por preços entre US$ 8 (~R$ 37) a US$ 70 (~R$ 328).

Matt Colvin e seu depósito com 17 mil garrafas de álcool em gel (Imagem: The New York Times)

Após comercializarem 300 garrafas nas primeiras horas, os irmãos não contavam com uma reviravolta do destino: no dia seguinte, a gigante do comércio online tirou do ar os produtos e ainda baniu a conta de ambos, além de outros vendedores, por conta da alta considerável nos preços dos produtos.

Em entrevista ao The New York Times, Matt conta que viu na situação uma oportunidade de mudar a vida financeira de sua família, porém agora não sabe mais o que fazer com o estoque.

Foi um banho de água fria. Estar na situação em que o que eu tenho para vender poderia colocar minha família em uma ótima posição financeira, e ir para ‘que diabos vou fazer com isso tudo?’, revela.

Ebay, Walmart e mais empresas estão atentas

Conforme já noticiamos aqui no Canaltech, várias gigantes da internet, seja do comércio online como a Amazon, eBay e Walmart, ou das redes sociais, como o Facebook e Twitter, estão moderando anúncios relacionados ao novo coronavírus.

Além disso, em alguns estados norte-americanos como Califórnia, Nova York e Washington, está proibido aumento abusivo dos preços de produtos como máscaras e álcool gel. Aqui no Brasil, por sua vez, tais itens seguem esgotando rapidamente das prateleiras em farmácias, supermercados e demais estabelecimentos comerciais.

E aí, o que você achou da iniciativa de Matt? Ingenuidade ou maldade?

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: