Mercado fechará em 6 h 43 min
  • BOVESPA

    117.200,89
    +3,07 (+0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.845,83
    -200,77 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,39
    -0,37 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.719,20
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    20.147,44
    +184,71 (+0,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,27
    -0,13 (-0,03%)
     
  • S&P500

    3.783,28
    -7,65 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.273,87
    -42,43 (-0,14%)
     
  • FTSE

    6.985,06
    -67,56 (-0,96%)
     
  • HANG SENG

    18.012,15
    -75,82 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    27.311,30
    +190,80 (+0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.586,50
    -37,25 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1281
    -0,0081 (-0,16%)
     

Amazon, Apple, Google prometem treinar 500.000 mulheres na Ásia

(Bloomberg) -- Quatorze empresas americanas, incluindo Amazon e Visa, se comprometeram a oferecer pelo menos 500.000 oportunidades de treinamento e educação digital a mulheres e meninas no Indo-Pacífico em uma iniciativa do governo Biden.

O programa, realizado dentro da estratégia de cooperação econômica de 14 nações da região, focará em Brunei, Fiji, Índia, Indonésia, Malásia, Filipinas, Tailândia e Vietnã.

A iniciativa, que oferecerá 7 milhões de oportunidades de treinamento no total na próxima década, foi divulgada na quinta-feira pela secretária de comércio americana, Gina Raimondo, e pela representante comercial dos EUA, Katherine Tai, que são anfitriãs de uma reunião de dois dias do grupo de países em Los Angeles.

O plano visa promover crescimento econômico sustentável e inclusivo, ao mesmo tempo em que aumenta a competitividade na região, disseram.

As outras empresas envolvidas na iniciativa são: American Tower, Apple, Cisco, Dell, Edelman, Google, HP, IBM, Mastercard, Microsoft, PayPal e Salesforce.

A iniciativa se concentra nas economias emergentes e países de renda média do grupo, que também inclui países ricos como Japão, Coreia do Sul, Austrália e Singapura.

“Estamos comprometidos em oferecer benefícios tangíveis e concretos aos países parceiros”, disse Raimondo em comunicado. “Esses compromissos do setor privado são uma tremenda oportunidade para trazermos milhões de mulheres e meninas para a classe média.”

O plano reforçará o envolvimento do setor privado americano na região de rápido crescimento de forma a render frutos de longo prazo para empresas e trabalhadores tanto nos EUA quanto em seus países parceiros, segundo comunicado anunciando a estratégia.

A iniciativa também ajudará a fortalecer a equidade, inclusão e sustentabilidade para ajudar a expandir a classe média, bem como oportunidades de exportação de bens e serviços americanos e o comércio e investimentos regionais, disse o comunicado.

Por fim, ao facilitar o treinamento em áreas como dados, nuvens e segurança cibernética, a abordagem permitirá que os países membros promovam fluxos e privacidade online, bem como combate a desinformação, a corrupção e ao roubo cibernético, de acordo com o governo Biden.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.