Mercado abrirá em 4 h 35 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,87
    +1,30 (+1,98%)
     
  • OURO

    1.776,70
    -7,60 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    56.913,16
    -299,04 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.447,84
    -21,24 (-1,45%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.168,68
    +109,23 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    23.788,05
    +129,13 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.974,00
    +104,25 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4083
    -0,0385 (-0,60%)
     

Amazon admite erros no pagamento de diversos funcionários

·2 min de leitura
(Photo by Scott Olson/Getty Images)
(Photo by Scott Olson/Getty Images)
  • Uma investigação interna descobriu que a Amazon estava sistematicamente pagando menos que o devido a alguns trabalhadores que estavam de licença

  • Tudo começou quando uma trabalhadora relatou, via e-mail para Jeff Bezos, erros com seu salário

  • Um porta-voz disse que a Amazon ainda estava identificando trabalhadores com falhas no pagamento

Segundo reportagem do New York Times, após uma trabalhadora da Amazon enviar um e-mail para Jeff Bezos reclamando de discrepâncias em seu salário, uma investigação interna da empresa revelou falhas com o sistema de pagamentos da empresa.

Tara Jones, uma funcionária do depósito da Amazon de Oklahoma, enviou a mensagem para Bezos em 2020, dizendo que faltavam US$ 90 (R$ 503) dos US$ 540 (R$ 3.022) que ela deveria receber mensalmente. Na época, ela estava de licença maternidade.

"Eu estou com pagamento atrasado nas contas, tudo por conta de erros da equipe", escreveu Tara no e-mail. "Escrever esse e-mail me deixou em lágrias", ela adicionou.

Leia também:

A equipe de jornalista do New York Times entrevistou funcionários e analisou documentos internos que mostram que no curso de sua investigação, a Amazon descobriu que estava prejudicando alguns de seus funcionários que estavam de licença, incluindo licenças médicas e por invalidez. Os problemas teriam começado há um ano e meio e podem ter afetado cerca de 180 depósitos.

Um porta-voz da Amazon disse ao jornal que a empresa ainda está no processo de identificar quantos trabalhadores foram insuficientemente pagos.

Uma dessas pessoas, um trabalhador do depósito de Tennessee chamado James Watts afirmou ao jornal que sua pensão por invalidez parou de ser paga por diversos meses durante a primavera. Segundo o trabalhador, ele e sua mulher tiveram de vender suas alianças, além do banco ter tomado posse de seu carro.

Funcionários e ex-funcionários de recursos humanos também relataram à publicação que diversos trabalhadores que enfrentavam problemas médicos foram automaticamente demitidos pelo software que a Amazon usa para confirmar presença, depois que ele confundiu sua licença com ausência.

"Muitas vezes, porque focamos em otimizar a experiência do cliente, nos concentramos demais nisso", disse Bethany Reyes, uma funcionária de RH da Amazon que recentemente foi encarregada de consertar o sistema de licenças da empresa.

Ela acrescentou que a empresa estava trabalhando para resolver "pontos problemáticos" e "questões salariais". Ela também disse que os disparos automáticos eram "o problema mais terrível que você poderia ter".

A Amazon não respondeu os pedidos de comentário da reportagem.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos