Mercado abrirá em 45 mins
  • BOVESPA

    120.700,67
    +405,99 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.514,10
    +184,26 (+0,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,59
    +0,13 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.779,60
    +12,80 (+0,72%)
     
  • BTC-USD

    60.864,13
    -1.401,61 (-2,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.354,15
    -26,80 (-1,94%)
     
  • S&P500

    4.170,42
    +45,76 (+1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.035,99
    +305,10 (+0,90%)
     
  • FTSE

    7.020,46
    +36,96 (+0,53%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.038,75
    +24,75 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7374
    +0,0163 (+0,24%)
     

Amazônia deve ser pensada como oportunidade de investimento e não uma abstração, diz Guedes

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta quinta-feira que a Amazônia precisa ser pensada como um "espaço real" e não uma "abstração" e que o desenvolvimento sustentável na região deve fazer parte de um esforço mais amplo de aumento de produtividade e modernização do Estado.

Em participação gravada para seminário virtual do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Guedes disse que o BID e países da região amazônica já acolheram proposta brasileira para a criação de um fundo para a Amazônia que captará doações para a região, inclusive do setor privado.

"É preciso pensar na Amazônia como um espaço real, com oportunidades de investimento, com desafios, e não como abstração", disse o ministro, acrescentando que milhões de pessoas vivem e tiram seu sustento na região.

Ele ressaltou que o governo também reconhece que a floresta é um patrimônio que precisa ser preservado, "produzindo bens e serviços ambientais que beneficiem a população local, o Brasil e o mundo".

"A exploração insustentável da floresta é um sintoma de sistema econômico de baixa produtividade, à margem da lei e com perspectivas limitadas a curto prazo", disse Guedes.

O ministro elencou outras medidas tomadas pelo governo para a região, como a inclusão na carteira na carteira do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) de seis projetos de proteção florestal e da concessão de dois parques nacionais da Amazônia. A própria aprovação do marco do saneamento beneficiará particularmente a região, que tem grande carência de infraestrutura, destacou Guedes.

"O desenvolvimento sustentável da Amazônia deve ser parte de um esforço mais amplo de aumento de produtividade, melhoria de infraestrutura e do ambiente de negócios, de desburocratização, transformação e modernização do Estado brasileiro", disse o ministro.

(Por Isabel Versiani)