Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.781,90
    -23,60 (-1,31%)
     
  • BTC-USD

    17.013,22
    +288,42 (+1,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Amapá tem 80% da energia retomada após blecaute da última semana, diz ministério

·3 minuto de leitura
.
.

(Reuters) - O fornecimento de eletricidade no Amapá, na Região Norte, havia sido 80% retomado até a manhã desta quarta-feira, depois de um blecaute que começou a impactar o Estado na noite de terça-feira da semana passada, disse o Ministério de Minas e Energia.

Desde o início do apagão, causado por um incêndio em uma subestação que danificou transformadores, o Amapá chegou a ficar com apenas 10% da carga de energia.

A situação começou a ser revertida na madrugada de sábado, após reparos em um dos equipamentos afetados pelo fogo. No final da tarde de sábado cerca de 65% do suprimento havia sido retomado, segundo o Ministério de Minas e Energia.

O aumento adicional na carga de energia do Amapá nesta quarta-feira ocorreu após a entrada em operação de uma unidade geradora na hidrelétrica local Coaracy Nunes, que agregou 25 megawatts, levando a oferta de cerca de 70% para 80% da demanda da região, disse o ministério, em publicação no Twitter.

Sem a totalidade da energia de volta, o governo do Amapá informou no final de semana que o fornecimento tem sido por meio de rodízio. Com exceção de serviços essenciais, os demais consumidores alternam períodos de 6 horas com energia com 6 horas no escuro.

O Ministério do Desenvolvimento Regional anunciou na véspera a liberação de 21,5 milhões de reais para apoiar o Estado em meio aos impactos do longo blecaute, que afetou também o fornecimento de água.

A pasta de Minas e Energia disse que a Força Aérea Brasileira também apoia as operações, com o transporte de alimentos e água do Pará para o Estado, depois de ter ajudado antes no transporte de geradores elétricos.

Na terça-feira, o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Andre Pepitone, disse que o órgão regulador irá atuar para levantar as causas do blecaute e apontar medidas corretivas.

"Mas a agência também vai verificar com todo o rigor a responsabilidade dos envolvidos. Vamos apurar as responsabilidades e aplicar punições", afirmou ele.

"Antes de uma questão técnica, é uma questão social... a prioridade é resolver o problema das pessoas", acrescentou.

Na segunda-feira, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que o blecaute no Amapá é "inadmissível e inaceitável" e afirmou que a empresa responsável pela subestação onde o incidente foi originado pode ser punida até com a perda da concessão.

O incêndio que levou à falta de luz foi registrado em subestação da concessionária Linhas do Macapá Transmissora de Energia (LMTE), da Gemini Energia, controlada pela Starboard Partners, especializada em recuperação de empresas em dificuldades. O empreendimento pertenceu antes à espanhola Isolux.

A LMTE disse, após as declarações do ministro, que assumiu a operação dos ativos em janeiro e que "nesses últimos 10 meses os esforços se concentraram em estabilizar e reforçar a operação".

"A empresa teve seus processos revisados e aprimorados com a participação de prestadores de serviço de primeira linha", apontou a concessionária, que disse estar apoiando os esforços para retomada do fornecimento.

(Por Luciano Costa; Edição de Maria Pia Palermo)