Mercado abrirá em 6 h 18 min
  • BOVESPA

    121.241,63
    +892,84 (+0,74%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.458,02
    +565,74 (+1,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,30
    -0,06 (-0,11%)
     
  • OURO

    1.837,50
    +7,60 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    36.457,14
    +15,41 (+0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    716,08
    -19,06 (-2,59%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.720,65
    -15,06 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    29.750,74
    +887,97 (+3,08%)
     
  • NIKKEI

    28.707,85
    +465,64 (+1,65%)
     
  • NASDAQ

    12.926,00
    +123,75 (+0,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4045
    +0,0092 (+0,14%)
     

AM: Funcionários de hospital batem ponto ao lado de pacientes internados

Colaboradores Yahoo Notícias
·3 minuto de leitura
Fila de funcionários para bater o ponto no Hospital 28 de Agosto, em Manaus, ao lado de macas para internados

A superlotação do hospital 28 de Agosto, referência para o tratamento da Covid-19 em Manaus, tem revoltado acompanhantes de pacientes internados nos corredores do centro médico. A atendente Andreia Barros, de 46 anos, acompanha a mãe, que precisa se submeter a uma amputação, e registrou funcionários batendo o ponto ao lado da maca onde a idosa aguarda atendimento.

Em imagens gravadas pela acompanhante e divulgadas pelo portal G1, é possível ver servidores registrando o fim do expediente entre os leitos de pacientes. Em outra imagem, há uma fila de macas com pessoas no corredor de um andar do hospital.

Leia também

Segundo Andreia, funcionários que tratam os infectados pelo vírus circulam livremente nas demais dependências do hospital.

“A minha mãe tem 72 anos. É hipertensa, diabética e deu entrada no hospital no dia 26 para a retirada de um dedo, só que quando vão operar, sempre dizem que não tem anestesista. Agora, tiraram minha mãe da área de pacientes vasculares e colocaram no corredor, no meio de um monte de gente. Eu estou desesperada com a possibilidade de ela se infectar”, denunciou a atendente, que disse poder permanecer na unidade como acompanhante em função da idade avançada da mãe.

Andreia também contou que chegou a questionar a equipe do hospital sobre a mudança do leito da mãe e a falta de anestesista no local, mas não foi dado um posicionamento para ela sobre o fato. “Eles disseram que vão transferir minha mãe para um hospital onde não tivesse Covid. Mas eu pergunto: onde que não tem?”.

Questionada sobre a situação no Hospital 28 de Agosto, a Secretaria da Saúde encaminhou a seguinte nota:

"A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) e seus servidores não têm medido esforços no trabalho de ampliação dos leitos para pacientes com Covid-19. Para isso, a SES-AM deu início ainda no mês de novembro um Plano de Contingência para o Recrudescimento da Covid-19 no Estado.

Desde o início do plano, houve um acréscimo de 127%, mais que dobrando a oferta de leitos exclusivos para Covid-19 na rede estadual de saúde, saindo de 457 para os atuais 1.038 leitos. Fato que evidencia que a rede trabalha para dar resposta a grande demanda, mas também reforça a necessidade da população colaborar e não promover ou participar de qualquer tipo de aglomerações, assim como fazer uso frequente de álcool em gel e a higienização das mãos com água e sabão, para frear a proliferação do vírus.

A SES-AM informa que o houve um maior pico de atendimento no Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, que demandou o remanejamento de pacientes estáveis para outra área para a abertura de mais leitos de atendimento a pacientes com Covid-19. Os pacientes remanejados continuam recebendo assistência médica e estão sendo gradualmente transferidos para unidades de apoio. A direção da unidade também ressalta que o ponto eletrônico já foi retirado do local.

Afim de orientar a população quanto ao fluxo de atendimento, a secretaria reforça que a população deve procurar o atendimento inicial - já nos primeiros sinais e sintomas gripais - nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), que são a porta de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS), onde poderá iniciar o tratamento para a doença. Os prontos-socorros da capital, devem ser buscados em caso de sintomas graves, como a baixa saturação de oxigênio (< 95%) e falta de ar".