Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,50
    +0,12 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.771,30
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    54.674,71
    -1.679,82 (-2,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.220,39
    -78,57 (-6,05%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.174,95
    -510,42 (-1,72%)
     
  • NASDAQ

    13.919,75
    +22,50 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6783
    +0,0026 (+0,04%)
     

América Latina pode perder US$ 1,7 bi com crise educacional causada pela pandemia

·2 minuto de leitura

A América Latina pode perder até 1,7 bilhão de dólares pela "crise educacional" provocada pela pandemia, o que implica um impacto negativo futuro no capital humano, na produtividade e um aumento da "pobreza de aprendizagem", advertiu nesta quarta-feira (17) o Banco Mundial.

"Esta é a pior crise educacional já vista na região e nos preocupa que possa ter consequências graves e duradouras para toda uma geração, em especial nos setores mais vulneráveis", disse Carlos Felipe Jaramillo, vice-presidente do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe, em um comunicado.

A entidade advertiu que no futuro, "a enorme perda de educação, capital humano e produtividade pode se traduzir em uma queda de renda agregada em nível regional de 1,7 bilhão de dólares".

Em termos de competências, o BM advertiu que a "pobreza de aprendizagem", que define o percentual de crianças de dez anos incapazes de ler e compreender um relato simples, pode ter aumentado de 51% a 62,5%, o que equivale a 7,6 milhões de crianças a mais nesta categoria.

Segundo este informe, após dez meses, o equivalente a um curso escolar sem aulas, 71% dos alunos dos primeiros anos do ensino médio podem não ser capazes de compreender adequadamente um texto de extensão moderada.

E se o fechamento se estender por mais três meses, o percentual poderá alcançar 77%.

Além disso, os especialistas do banco advertiram que estes efeitos negativos afetam sobretudo as pessoas com menor rendimento, o que pode ter aumentado em 12% adicionais o abismo educacional entre ricos e pobres.

A estes impactos negativos adiciona-se a possibilidade de que a evasão escolar aumente em pelo menos 15% devido à pandemia e ao impacto negativo nos estudantes que se beneficiam de programas de alimentação nas escolas.

"Os governos devem agir de forma urgente para recuperar o terreno perdido e aproveitar a oportunidade para melhorar os sistemas educacionais", concluiu Jaramillo.

an/dga/mvv