Mercado fechará em 1 h 39 min
  • BOVESPA

    129.892,16
    +451,12 (+0,35%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.298,16
    +11,70 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,96
    +0,05 (+0,07%)
     
  • OURO

    1.865,50
    -14,10 (-0,75%)
     
  • BTC-USD

    40.060,21
    +2.585,24 (+6,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,44
    +32,60 (+3,36%)
     
  • S&P500

    4.235,56
    -11,88 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.226,71
    -252,89 (-0,73%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.064,00
    +69,75 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1538
    -0,0388 (-0,63%)
     

Alzheimer: cientistas descobrem como rejuvenescer o cérebro

·2 minuto de leitura
Alzheimer: cientistas descobrem como rejuvenescer o cérebro
Alzheimer: cientistas descobrem como rejuvenescer o cérebro

A doença de Alzheimer é uma das principais causas de demência e as estratégias terapêuticas não previnem, retardam ou curam a patologia de fato. A doença é conhecida pela perda de memória, causada pela degeneração e morte de células neuronais em diversas partes do cérebro.

Após alguns estudos, os pesquisadores do Instituto Holandês de Neurociência (NIN) descobriram uma pequena molécula que pode ser usada para rejuvenescer o cérebro e assim, neutralizar a perda de memória.

A neurogênese está ligada a vários aspectos da memória em modelos animais e humanos, e a presença diminui drasticamente nos cérebros de pacientes com doença de Alzheimer. Níveis mais elevados de neurogênese nesses pacientes podem se correlacionar com melhor desempenho cognitivo antes da morte: “Isso pode sugerir que os neurônios nascidos no adulto em nosso cérebro podem contribuir para uma espécie de reserva cognitiva que pode mais tarde fornecer maior resiliência à perda de memória”, explicou Evgenia Salta, líder do grupo no NIN.

Sendo assim, os cientistas investigaram se caso dessem um impulso à neurogênese, poderiam ajudar a prevenir ou melhorar a demência na doença de Alzheimer. Além disso, eles decidiram se o microRNA-132 pode regular a neurogênese em cérebros saudáveis ​​e com Alzheimer.

Leia mais:

Através de modelos diferentes de camundongos com Alzheimer (como células-tronco neurais humanas em cultura e tecido cerebral humano), os pesquisadores descobriram que essa molécula de RNA é necessária para o processo neurogênico no hipocampo adulto. “Diminuir os níveis de microRNA-132 no cérebro de camundongo adulto ou em células-tronco neurais humanas em um prato prejudica a geração de novos neurônios. No entanto, restaurar os níveis de microRNA-132 em camundongos com Alzheimer resgata déficits neurogênicos e neutraliza o comprometimento da memória relacionado a neurogênese adulta “, revelou Sarah Snoeck, técnica do grupo de Salta.

Esses resultados possibilitam uma prova de conceito sobre o potencial terapêutico de provocar a neurogênese adulta na doença de Alzheimer. “Nosso próximo objetivo é avaliar sistematicamente a eficácia e segurança de direcionar o microRNA-132 como uma estratégia terapêutica na doença de Alzheimer “, finaliza Salta.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!